O anfitrião zombou da luta de Trump contra o estigma do “crime de migração”

Jon Stewart mais uma vez mirou em ambos os lados da questão, desta vez criticando duramente o Partido Republicano por alimentar intencionalmente a preocupação pública sobre os migrantes na fronteira e criticando o fracasso dos Democratas em defender os seus valores.

No episódio de segunda-feira, o apresentador brincou que “a cada dois ou quatro anos somos lembrados de que existe uma fronteira”, antes de exibir clipes na Fox News e Newsmax promovendo a narrativa do “crime migrante”. Numa gravação, a deputada Marjorie Taylor Greene repetiu a retórica de Donald Trump sobre “estupradores” que atravessam a fronteira – apesar de pesquisas mostram não há correlação entre a imigração e o aumento das taxas de criminalidade.

Stewart foi rápido em observar que “é tudo uma questão de branding” e que os republicanos bloquearam intencionalmente o projeto de lei bipartidário de imigração apoiado pelo sindicato da Patrulha de Fronteira dos EUA por “confiança de que o medo será uma estratégia eficaz no ano eleitoral” para Trump.

O Programa diário O veterano então fez um vídeo da tentativa desajeitada de Trump de cunhar o nome de Biden e do migrante como o “crime de Biggrant”. Stewart não se convenceu: “Realmente parece um migrante que poderia ser atravessado em qualquer fronteira”.

Tendências

Em outra parte do episódio, Stewart justapôs os democratas divulgando “valores americanos fundamentais e inabaláveis ​​​​de compaixão e empatia” com um clipe do prefeito de Nova York, Eric Adams, mudando de “dê-me o seu cansaço” para “não temos mais lugar nesta cidade”. .” ”Devido ao afluxo de migrantes que chegaram desde a primavera de 2022.

Stewart foi duramente criticado depois de retornar como apresentador do programa depois de quase nove anos, e criticou o presidente Joe Biden e Trump por seus erros relacionados à idade. Na semana passada, o anfitrião interino assumiu “algo leve” e abordou a guerra em Gaza, criticando Israel pelas mortes de civis, o Hamas por dizer que Israel deve ser “removido” e os Estados Unidos e as Nações Unidas por não impedirem o sofrimento de inocentes. pessoas.

Fonte