Os preços do arroz estão listados em uma loja de varejo de arroz no Mercado Público de Marikina, na cidade de Marikina, na quinta-feira, 15 de fevereiro de 2024. (Foto de arquivo INQUIRER/GRIG C. MONTEGRANDE)

MANILA, Filipinas – A senadora Imee Marcos pediu formalmente ao Senado que iniciasse uma investigação sobre a alegada “disposição e venda irregular” de estoques de arroz reembalados pela Autoridade Alimentar Nacional (NFA) a dois comerciantes a preços baixos.

A investigação é proposta de acordo com a Resolução 940 do Senado, apresentada na segunda-feira.

A sua resolução citou uma queixa escrita apresentada no mês passado pelo Administrador Adjunto para Operações da NFA, Lemuel Pagayunan, perante o Gabinete do Presidente.

A denúncia alega a suposta venda de 75.000 sacos de arroz NFA “degradado ou envelhecido” no valor de P93 milhões para a G4 Rice Mill San Miguel Corporation e NBK San Pedro Rice Mill.

O negócio teria sido possível graças à emissão de vários memorandos pelo administrador da NFA, Roderico Bioco.

Por parte da NFA, a Bioco defendeu a venda de arroz envelhecido de acordo com a sua resolução, que só permite o armazenamento do arroz por um período máximo de três meses.

“As ações vendidas da NFA já estavam detidas há mais de três meses. Portanto, as transações de vendas foram consistentes com a Resolução aprovada do Conselho da NFA”, lemos mais adiante na resolução.

Relativamente à selecção destes dois comerciantes, a resolução mencionava a explicação da NFA de que se pretendia supostamente impedir um acordo entre o pessoal da agência e os antigos moleiros locais “que estavam envolvidos em transacções irregulares de stocks”.

“Além disso, o número limitado de compradores permitiu que o pessoal do armazém aderisse a uma política de primeiro a entrar, primeiro a sair ao emitir inventário antigo”, disse a NFA na resolução.

Numa declaração separada, Marcos sublinhou que uma revisão completa do mandato do NFA é crucial para lidar com a escassez global de arroz.

Ela expressou preocupação pelo facto de o NFA ter “perdido completamente o rumo” face aos cortes no fornecimento global de arroz.

“As Filipinas são atualmente o maior importador mundial de arroz e a situação precária do mercado só vai piorar nos próximos meses”, disse o senador.

Ela também perguntou por que a NFA está “liderando o caminho na compra de arroz da Índia”.

“Por que eles foram parar lá porque seu estatuto proíbe a importação?” ela perguntou.

(Por que eles foram parar lá se seu estatuto os proíbe estritamente de importar?)

Segundo ela, a NFA foi formada ostensivamente para comprar Palay aos agricultores locais, estabilizar os preços do arroz para o consumidor filipino e garantir stocks reguladores suficientes em caso de calamidades.

“No entanto, a agência tem repetidamente ficado sem os stocks reguladores necessários e tem sido incapaz de lidar com os preços mais elevados do palay no produtor, que subiram até P27 por quilograma no ano passado”, observou ela.


Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.


Sua assinatura foi bem-sucedida.

Marcos também lamentou o alegado fracasso da NFA “em apoiar todos os agricultores locais que necessitam desesperadamente de assistência, especialmente quando o contrabando de arroz os forçou a vender as suas colheitas abaixo do custo de produção”.



Fonte