Comelec. ARQUIVOS DE PERGUNTAS

A Comissão Eleitoral (Comelec) é perseguida por questionamentos sobre a história da empresa sul-coreana que ganhou contrato para serviços eleitorais em 2025.

Um grupo cético em relação ao licitante vencedor citou relatos de quebras de máquinas da empresa durante eleições em dois outros países.

Democracy Watch Filipinas (DWP) expressou na sexta-feira preocupação com a concessão do contrato de contagem de votos de P17,9 bilhões à Miru Systems, dadas as questões que surgiram durante
Eleições no Iraque e na República Democrática do Congo em 2023.

O DWP citou notícias locais e internacionais de que as máquinas Miru sofreram de falhas que “resultaram em atrasos na votação, caos generalizado e, pior ainda, numa erosão maciça da confiança pública”.

Eleições no Iraque

Em relação às eleições iraquianas de 2023, Miru já negou as acusações e citou uma declaração anterior da Missão de Assistência das Nações Unidas no Iraque (Unami), na qual descreveu as eleições como “justas e bem-sucedidas”.

No entanto, em 12 de dezembro de 2023, Claudio Cordone, vice-chefe da Unami, esclareceu em comunicado à imprensa que a sua missão não tem função de fiscalização eleitoral.

“Unami não observará nem monitorará as eleições de 18 de dezembro e, portanto, não poderá avaliar como as eleições foram conduzidas”, diz o comunicado de imprensa.

O DWP também observou que Miru ainda não respondeu às perguntas dos observadores externos das eleições de Kinshasa, como a Conferência Episcopal Nacional do Congo (Cenco) e a Igreja
Cristo no Congo (ECC).

Pesquisa no Congo

De acordo com o relatório eleitoral preliminar da Cenco e da ECC, recolhido junto de 60.000 voluntários de todo o país, aproximadamente 45,1 por cento assembleias de voto tiveram problemas com
urnas eletrônicas.

“Ocorreram falhas e erros técnicos, atrasando a votação e causando confusão entre os eleitores”, disse um comunicado de imprensa do DWP.

LEIA: Comelec quer selecionar contratante para sistema de votação automática de 2025 até março

“A Missão Internacional de Observação Eleitoral do Centro Carter observou no seu relatório que os observadores eleitorais em 22 por cento das assembleias de voto no Congo testemunharam problemas técnicos, incluindo períodos prolongados de mau funcionamento do equipamento. Isto levou ao encerramento de algumas mesas de voto e ao prolongamento da votação por mais um dia”, acrescentou.

O grupo pediu ainda esclarecimentos sobre se a máquina protótipo apresentada no processo de avaliação da Comelec era diferente ou igual às máquinas utilizadas no Congo.


Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.


Sua assinatura foi bem-sucedida.

“Se forem idênticos, o público deve ter certeza de que quaisquer problemas técnicos anteriores foram corrigidos para evitar interrupções nas próximas eleições filipinas de 2025.” – disse o DWP.



Fonte