FOTO DE ARQUIVO: O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, e o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, apertam as mãos durante uma reunião à margem da Conferência de Segurança de Munique (MSC) em Munique, Alemanha, 16 de fevereiro de 2024. REUTERS/Wolfgang Rattay/Pool/Foto de arquivo

WASHINGTON (Reuters) – Um alto funcionário dos EUA na Coreia do Norte realizou uma videochamada esta semana com o enviado da China para a Península Coreana, durante a qual discutiu a crescente cooperação militar entre Moscou e Pyongyang, disse o Departamento de Estado nesta sexta-feira.

A autoridade sênior dos EUA para a Coreia do Norte, Jung Pak, e seu homólogo chinês, Liu Xiaoming, também abordaram o “comportamento cada vez mais desestabilizador e escalador” da Coreia do Norte, disse o departamento em um comunicado.

LEIA: Coreia do Norte enfatiza aliança com a Rússia contra os EUA

Afirmou que a crescente cooperação militar entre a Rússia e a Coreia do Norte “constitui uma violação de numerosas resoluções do Conselho de Segurança da ONU”.

Uma declaração do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China afirma que “é do interesse comum da região e da comunidade internacional manter a paz e a estabilidade na Península Coreana e acelerar o processo de resolução política…”.

Afirmou que “as partes interessadas devem[…]abordar as preocupações de cada um de forma equilibrada através de um diálogo construtivo” e que a China e os Estados Unidos concordaram em manter contacto sobre o assunto.

A declaração da China não fez menção à Rússia, que há muito é parte nas sanções da ONU à Coreia do Norte devido aos seus programas de mísseis balísticos e de armas nucleares, mas que reforçou os laços com Pyongyang desde a invasão da Ucrânia em 2022.

Washington acusou a Coreia do Norte de fornecer à Rússia projéteis de artilharia e mísseis usados ​​​​na Ucrânia.

Moscovo e Pyongyang negam, mas prometeram aprofundar as relações militares.

O comunicado dos EUA afirma que a conversa com a China ocorreu após uma reunião em 16 de fevereiro entre o secretário de Estado Antony Blinken e o ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, na qual eles “reafirmaram a importância da comunicação contínua sobre questões (da Coreia do Norte) em todos os níveis”.

LEIA: Coreia do Norte critica visita de Blinken à China como ‘imploração de viagem’

O Kremlin anunciou na terça-feira que o presidente russo, Vladimir Putin, deu ao líder norte-coreano Kim Jong Un uma limusine russa Aurus. Washington impôs na sexta-feira sanções à montadora como parte de uma ampla série de sanções impostas à Rússia para marcar o segundo aniversário da invasão da Ucrânia.

As sanções e restrições comerciais também visaram empresas chinesas que, segundo os EUA, estavam a ajudar a Rússia na guerra.

As relações sino-americanas mostraram sinais de melhoria nos últimos meses e foram tomadas medidas para restaurar os canais de comunicação depois de os laços terem caído para o nível mais baixo em décadas.

No entanto, subsistem muitos pontos de conflito, incluindo as sanções dos EUA à China por questões de segurança e direitos humanos. Wang disse a Blinken que eles deveriam ser abolidos.

Liu Pengyu, porta-voz da embaixada chinesa em Washington, classificou as últimas sanções contra as empresas chinesas como “um movimento típico baseado na coerção económica, unilateralismo e intimidação”.

A principal autoridade de controle de armas dos EUA, Bonnie Jenkins, disse em um evento na quinta-feira que Washington está interessado em continuar as negociações com a China sobre estabilidade estratégica e gestão de crises e que uma Coreia do Norte mais agressiva não é do interesse de Pequim.


Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.


Sua assinatura foi bem-sucedida.

Ela disse acreditar que a Coreia do Norte, que faz fronteira com a China, está interessada em comprar aviões de combate, mísseis terra-ar, veículos blindados, equipamentos ou materiais para mísseis balísticos e outras tecnologias avançadas através da cooperação com a Rússia.



Fonte