Representante do Partido Sagip Rodante Marcoleta. Foto adicionada

MANILA, Filipinas – Marcoleta, membro do partido Sagip Rodante, acusou a senadora Pia Cayetano de querer privar de seu sustento 3 milhões de filipinos que dependem da indústria do tabaco.

Em discurso privilegiado, o ex-vice-presidente expressou seu desagrado pelas tiradas de Cayetano no Senado. Ele disse que parecia que o senador queria que a delegação filipina, que recentemente compareceu à conferência global sobre controle do tabaco no Panamá, ignorasse dois projetos de lei sobre controle do tabaco cuidadosamente aprovados pelo Congresso.

Marcoleta referiu ainda que por defender a soberania do país e a intenção dos representantes do povo de aprovar leis que regulamentem alternativas menos prejudiciais aos cigarros, um observador “desconhecido” de uma ONG atribuiu às Filipinas o prémio “Cinzeiro Sujo”.

“Prefiro ter mil Cinzeiros Sujos (prêmio) do que um caixão que abrigue toda a indústria do tabaco, incluindo agricultores e partes interessadas que dependem da indústria do tabaco em nosso país”, disse ele.

“Embora o Estado esteja consciente e seja responsável pela manutenção da saúde dos seus cidadãos, também deve fazê-lo tendo em mente o bem-estar geral das pessoas, especialmente das partes interessadas da indústria do tabaco. Nossos dois projetos de lei defendem políticas sustentáveis”, acrescentou.

Marcoleta defendeu a participação ativa da delegação filipina na 10ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (CQCT) da Organização Mundial da Saúde (OMS), no Panamá, ressaltando que a posição da delegação refletia as leis e as políticas equilibradas do país.

Especialistas em redução de danos elogiaram as Filipinas pela sua posição na CQCT da OMS. O professor David Sweanor, presidente do conselho consultivo do Centro de Legislação, Política e Ética em Saúde da Universidade de Ottawa, expressou apoio às Filipinas por se oporem com sucesso aos esforços bem financiados para negar aos consumidores alternativas mais seguras aos cigarros mortais, de acordo com um relatório da Câmara legislador.

“Criticar um país por defender o direito das pessoas ao acesso a produtos que salvam vidas demonstra uma agenda terrivelmente autoritária e moralista. Se quisermos efetivamente reduzir o consumo de cigarros, os grupos antitabaco devem aprender com países como as Filipinas, e não difamá-los”, disse Sweanor num comunicado divulgado pela Marcoleta.

Martin Cullip, membro internacional da Taxpayer Protection Alliance, também agradeceu às Filipinas por permanecerem firmes na sua posição, de acordo com o legislador da lista partidária.

“Na COP 9, as Filipinas disseram: ‘não vamos proibir estes produtos, vamos regulá-los’. Isso causou ondas de choque durante toda a reunião”, disse Cullip, segundo o mesmo comunicado.

Cullip fez estes comentários na conferência internacional “GOOD COP/BAD COP” organizada pela Taxpayers Protection Alliance (TPA), proporcionando uma plataforma para vozes de liderança em questões de consumo, políticas nacionais e globais e redução de danos de 14 países para discutir o controle relevante do tabaco. problemas .

“Fomos lá para defender os direitos do nosso país, principalmente as duas leis que aprovamos neste Congresso. Refiro-me à Lei da República nº 9.211 e à Lei da República nº 11.900”, explicou Marcoleta.

O legislador da Câmara falou sobre a Lei de Regulamentação de Produtos de Tabaco de 2003 (RA 9211), que regulamenta produtos de tabaco, e a Lei de Regulamentação de Produtos de Nicotina e Não Nicotina Vaping (RA 11900), que regulamenta alternativas sem fumaça aos cigarros, como vaporizadores, tabaco aquecido e nicotina oral.

Marcoleta disse que se juntou à delegação para entender como essas leis são tratadas internacionalmente, principalmente dentro da CQCT.

Representantes de 182 países reuniram-se no Panamá para a COP 10 para discutir a implementação do tratado global do tabaco.

Marcoleta disse que a delegação filipina defendeu as suas políticas antes da conferência mundial e participou activamente nas Agendas 9 e 10 da FCTC, que tratam de facilitar a implementação regulamentar e a divulgação do conteúdo e das emissões dos produtos do tabaco.

Ele disse que durante a conferência, os delegados debateram a suspensão do “grupo de trabalho” e a entrega do seu mandato a um “grupo de especialistas”. O grupo de trabalho é composto por representantes dos países signatários do tratado, enquanto o grupo de peritos é composto por pessoas nomeadas que não representam o seu país.

A delegação filipina opôs-se ao facto de o grupo de peritos ter um mandato de elaboração de políticas, afirmando que existem certos princípios jurídicos que não podem ser violados em nome da flexibilidade e do consenso.

“Deve ser afirmado, Senhor Presidente, que o grupo de especialistas deve estar subordinado à primazia e ao papel dominante do grupo de trabalho composto por partidos estatais. Porque são responsáveis ​​pelos interesses das suas nacionalidades e são responsáveis ​​por eles. Devemos enfatizar, senhor presidente, que o grupo de trabalho tem um mandato”, disse Marcoleta em seu discurso sobre privilégios.

“O grupo de trabalho confere personalidade e legitimidade ao trabalho do grupo de especialistas. Portanto, o grupo de trabalho não pode reivindicar um mandato reservado exclusivamente a este grupo de trabalho, uma vez que são membros da CQCT”, afirmou ainda.

Marcoleta disse ainda que a delegação filipina agiu de acordo com as leis do país. “Nós apenas defendemos nossos próprios direitos. Porque o estatuto da FCTC estabelece que as disposições desta convenção estão sujeitas e são consistentes com as leis nacionais dos países membros.”

Marcoleta disse ainda que a delegação filipina fez uma declaração nacional.


Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.


Sua assinatura foi bem-sucedida.

“Trabalhamos durante cerca de duas semanas, Senhor Presidente, antes da partida para garantir uma declaração unificada baseada na nossa política nacional”, disse ele.



Fonte