MANILA, Filipinas – Autoridades da Câmara questionaram por que os senadores sempre atribuíram a culpa de vários assuntos aos legisladores da Câmara, em meio a rumores de uma mudança iminente de liderança no Senado.

O representante do partido PBA, Migs Nograles, disse na entrevista coletiva de terça-feira que o Senado sempre parece acusar a Câmara de algo quando há caos na Câmara Alta.

Nograles disse isso depois que os legisladores foram questionados sobre a crença de alguns senadores de que a Câmara era responsável por espalhar boatos de que estavam preparando um golpe contra o presidente do Senado, Juan Miguel Zubiri.

“Bem, é simples, por que é que quando o Senado luta, a culpa ainda é nossa? A Câmara dos Representantes não tem nada a ver com as expectativas da liderança do Senado. Eles têm as suas próprias regras internas, nós respeitamos as suas regras e respeitamos quem eles querem nomear como seu líder”, disse Nograles.

(Bem, é simples; por que é que, quando os senadores discutem, a culpa é nossa? A Câmara dos Representantes não tem palavra a dizer sobre o que o Senado pretende em termos da sua liderança.)

“Então por que o Congresso pensa que somos os bandidos aqui? Se eles brigarem, eles vão brigar lá, e se eles concordarem, eles concordam, é o mesmo para nós, não temos nada a ver com o regimento interno do Senado e com quem e quem eles querem manter na liderança”, acrescentou. .

(Então, por que eles estão paralisando o Congresso para fazer parecer que somos os vilões aqui de novo? Se eles brigarem, deixe-os lutar – e se eles concordarem, deixe-os concordar.)

Enquanto isso, o deputado Ramon Rodrigo Gutierrez, da lista do partido 1-Rider, ficou perplexo com o motivo pelo qual os senadores de repente acreditaram que a Câmara dos Deputados tinha tanta influência, enquanto alguns senadores desprezavam os legisladores da Câmara.

“Estou igualmente surpreso que estejamos sendo acusados, segundo alguns círculos do Senado, de que somos apenas congressistas. Quão poderosos seremos se pudermos influenciar a Câmara Alta?” Gutiérrez perguntou.

(Da mesma forma, estou surpreso que haja acusações de que as negociações vieram de nós, mas de acordo com alguns círculos no Senado, somos apenas congressistas. Somos fortes o suficiente para influenciar a Câmara Alta?)

“Isto é surpreendente para nós porque, tanto quanto sei e até onde sei, a questão do voto colectivo é apenas sobre o Cha-Cha económico, porque é que de repente somos abrangidos pelas suas regras internas para eleger líderes? Não temos o direito de votar lá, então posso dizer que seria… uma acusação de que estamos ligados lá, que poderia ser um golpe para a lua”, acrescentou.

(Estamos chocados porque até onde eu sei e até onde sei, a questão do voto coletivo é apenas sobre o Cha-cha econômico; por que estamos sendo arrastados para as regras internas do Senado em relação à eleição de seus líderes? Sim, não tenho nada a dizer sobre o assunto, portanto estas alegações são absurdas).

Na segunda-feira, vários senadores manifestaram apoio à liderança de Zubiri. No entanto, o senador JV Ejercito disse que devido à questão da Iniciativa Popular (PI), pode ser uma estratégia de dividir para governar da Câmara dos Representantes.

LER: Senadores dizem que não há plano para substituir Zubiri

Recentemente, a Câmara e o Senado estiveram em desacordo sobre as discussões sobre a alteração das disposições económicas da Constituição de 1987. Em Dezembro passado, o Presidente Ferdinand Martin Romualdez e o Vice-Presidente Sénior Aurelio Gonzales Jr. afirmaram que estão dispostos a considerar propostas de alterações à Carta após a Resolução de Ambas as Câmaras (RBH) nº 6 ter ficado paralisada no Senado.

Gonzales, porém, disse que a proposta do PI poderia ser considerada porque as propostas de alteração da constituição foram rejeitadas no Senado. Quando o EI ganhou popularidade no início de janeiro, o Senado acusou a Câmara de apoiar a campanha.

Posteriormente, todos os 24 senadores assinaram um manifesto rejeitando o EI, afirmando que este procura abolir o Senado através da introdução da votação conjunta ao decidir sobre propostas de alterações à constituição.


Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.


Sua assinatura foi bem-sucedida.

O presidente Romualdez e outros líderes da Câmara negaram estar por trás do EI, afirmando várias vezes que não pretendem abolir o Senado.



Fonte