Universidade das Filipinas – Campus Diliman (FOTO DO ARQUIVO DE INQUÉRITO)

MANILA, Filipinas – Funcionários da Universidade das Filipinas, do STI College e da Universidade De La Salle apresentaram suas opiniões sobre as disposições econômicas propostas da Constituição de 1987 durante a audiência da Resolução nº 6 do Senado de ambas as casas.

Presidente da UP Atty. Angelo Jimenez disse que a universidade está cumprindo o seu mandato de não ser apenas uma universidade nacional, mas também uma universidade global. Para apoiar a sua declaração, Jimenez disse que a UP tem mais de 400 empresas em 47 países ao redor do mundo.

Jiménez destacou que a Constituição não se opõe à participação de estrangeiros no sistema educacional.

“Nossa posição, Meritíssimo, é que a questão mais importante é: o que precisamos deles? Ou que tipo de capital estrangeiro”, disse ele.

Segundo Jimenez, o talento hoje não conhece nacionalidade.

“Muitos países recrutam os melhores talentos em todo o mundo para promover os seus interesses nacionais. Deixe-me contar para você também [about] desenvolvimento na área estrangeira de educação que está diretamente relacionada à UP: Hoje recebo muitas sugestões e até sugestões de escolas estrangeiras que possuem tecnologia madura, e na opinião deles podemos nos interessar, principalmente em ciência e tecnologia”, explicou.

Jimenez concluiu a sua declaração enfatizando que o mundo está envelhecendo e que a UP espera reabastecer e aumentar as suas conexões com o resto do mundo.

Por que não focar no ensino primário?

A diretora de operações do STI College iACADEMY, Raquel Perez, disse que o governo filipino deveria primeiro abordar questões urgentes relacionadas à educação básica.

“À medida que navegamos neste discurso, é imperativo que permaneçamos firmes no nosso compromisso de proteger os interesses da juventude da nossa nação e das gerações futuras que representam”, disse Perez.

Perez salientou que fornecer infra-estruturas excelentes e promover intervenções ao nível do ensino superior revelam-se insuficientes sem uma base sólida no ensino primário.

“Em primeiro lugar, recursos inadequados, como salas de aula, continuam a dificultar a prestação eficaz da educação em muitas partes do nosso país. A falta de infra-estruturas suficientes não só limita o nosso acesso a uma educação de qualidade, mas também ameaça o ambiente de aprendizagem dos nossos alunos”, disse ela.

“Em segundo lugar, a questão da qualidade dos professores é de suma importância na partilha do panorama educacional da nossa nação”, acrescentou Perez.

Ela enfatizou ainda que a sua posição é clara de que os actuais problemas que assolam o sector da educação “não exigem uma mudança na Carta”, mas sim “exigem maior apoio e atenção à educação”.

“Reconhecemos a proposta de alteração do Estatuto, nomeadamente no que diz respeito à propriedade e gestão da instituição de ensino. Embora possa haver motivos para aliviar as restrições à propriedade estrangeira, devemos ter cautela e priorizar a preservação dos valores filipinos e o cultivo da identidade nacional”, disse ela.

Perez disse que o governo filipino não deveria ignorar os desafios existentes e desviar a atenção para Cha-cha.

Ela advertiu ainda que, embora o investimento estrangeiro no ensino superior possa trazer alguns benefícios, o país deve permanecer vigilante relativamente às suas potenciais armadilhas.

A DLSU, representada pelo presidente da Comissão de Assuntos e Problemas Nacionais, Dra. Jazmin Llana, ainda não adotou uma posição final sobre o assunto.

“Posso dar-lhe uma resposta curta e tenho certeza de que a Universidade concordará: não, não precisamos de quaisquer mudanças constitucionais para enfrentar a crise educacional”, disse ela.

Llana não deu mais informações sobre a suposta posição, mas enfatizou que as autoridades universitárias discutiriam o assunto para apresentar sua posição ao Senado.

“Mente aberta”

Entretanto, o senador Sonny Angara, que lidera as discussões como presidente da Subcomissão do Senado para Emendas Constitucionais e Revisão do Código, reiterou a importância de manter uma “mente aberta” em relação às alterações propostas às disposições económicas da Constituição de 1987.


Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.


Sua assinatura foi bem-sucedida.

“Pela primeira vez desde 1987, estamos a discutir as mudanças económicas de forma séria e detalhada. Demoramos tanto porque o debate sobre a Carta foi envenenado por ambições políticas e pessoais. Esta é a realidade”, disse Angara.



Fonte