Palestinos carregam sacos de farinha que tiraram de um caminhão de ajuda perto de um posto de controle israelense enquanto os habitantes de Gaza enfrentam níveis críticos de fome em meio ao conflito em curso entre Israel e o Hamas, na Cidade de Gaza, 19 de fevereiro de 2024. FOTO DE ARQUIVO DA REUTERS

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) – Os Estados Unidos propuseram um projeto de resolução concorrente do Conselho de Segurança da ONU pedindo um cessar-fogo temporário na guerra entre Israel e o Hamas e se opondo a uma grande ofensiva terrestre de seu aliado Israel em Rafah, de acordo com um texto visto pela Reuters.

A medida ocorre depois que os Estados Unidos sinalizaram na terça-feira que vetariam uma resolução elaborada pela Argélia exigindo um cessar-fogo humanitário imediato em meio a preocupações de que isso poderia comprometer as negociações entre os Estados Unidos, Egito, Israel e Catar, destinadas a mediar o fim da guerra e a libertação de reféns. detidas pelo Hamas.

Até agora, Washington se opôs ao termo “cessar-fogo” em qualquer ação da ONU sobre a guerra entre Israel e o Hamas, mas o texto dos EUA ecoa a linguagem que o presidente Joe Biden disse ter usado nas negociações com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na semana passada.

LEIA: ONU provavelmente votará cessar-fogo em Gaza na terça-feira, EUA sinalizam veto

Isto significaria que o Conselho de Segurança “sublinharia o seu apoio a um cessar-fogo temporário em Gaza o mais rapidamente possível, baseado na libertação de todos os reféns, e apelaria à remoção de todas as barreiras à entrega de assistência humanitária em grande escala”.

Os Estados Unidos “não planejam apressar” a votação e pretendem dar tempo para negociações, disse um alto funcionário do governo dos EUA na segunda-feira, falando sob condição de anonimato.

Para que a resolução seja adotada, são necessários pelo menos nove votos a favor e nenhum veto dos Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Rússia e China.

O projecto de texto dos EUA “determina que, nas actuais circunstâncias, uma grande ofensiva terrestre em Rafah resultaria em mais danos e em maior deslocação de civis, incluindo potencialmente para países vizinhos”.

Israel está a planear um ataque a Rafah, onde mais de 1 milhão dos 2,3 milhões de palestinianos de Gaza procuraram refúgio, levantando preocupações internacionais de que o ataque irá agravar drasticamente a crise humanitária em Gaza. A ONU alertou que isso “poderia levar à carnificina”.

O projecto de resolução dos EUA afirma que tal medida “teria consequências graves para a paz e a segurança na região e, portanto, sublinha que nas actuais circunstâncias uma ofensiva terrestre tão grande não deveria ocorrer”.

Washington tem tradicionalmente protegido Israel da acção da ONU e vetou duas vezes resoluções do conselho desde que militantes do Hamas atacaram Israel em 7 de Outubro. No entanto, absteve-se duas vezes, permitindo ao conselho adoptar resoluções destinadas a aumentar a ajuda a Gaza e apelando a pausas mais longas nos combates.

‘Tiro de advertência’

Esta é a segunda vez desde 7 de Outubro que Washington propõe uma resolução do Conselho de Segurança sobre Gaza. A Rússia e a China vetaram a sua primeira tentativa no final de outubro.

Embora os Estados Unidos estivessem prontos para proteger Israel ao vetar o projecto de resolução argelino na terça-feira, o director do Grupo de Crise Internacional da ONU, Richard Gowan, disse que Israel estaria mais preocupado com o texto preparado por Washington.

LEIA: Israel vê ‘lacunas significativas’ após negociações de cessar-fogo

“O simples facto de os Estados Unidos apresentarem este texto é um sinal de alerta para Netanyahu”, disse ele. “Este é o sinal mais forte que os Estados Unidos já enviaram às Nações Unidas de que Israel não pode confiar indefinidamente na proteção diplomática americana.”

A missão de Israel nas Nações Unidas em Nova Iorque não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre o projeto dos EUA.

Um segundo alto funcionário da administração dos EUA, falando sob condição de anonimato, disse que o rascunho dos EUA não sugeria “nada sobre a dinâmica de qualquer relacionamento específico, seja com os israelenses ou com qualquer um dos nossos outros parceiros”.

O projecto de texto dos EUA condenaria os apelos de alguns ministros do governo israelita para transferir colonos judeus para Gaza e rejeitaria quaisquer tentativas de mudanças demográficas ou territoriais em Gaza que violassem o direito internacional.

A resolução também rejeita “qualquer ação de qualquer parte que reduza temporária ou permanentemente o território de Gaza, inclusive através do estabelecimento oficial ou não oficial do chamado zonas tampão, bem como a destruição generalizada e sistemática de infra-estruturas civis.

Em Dezembro, a Reuters informou que Israel disse a vários estados árabes que queria designar uma zona tampão dentro das fronteiras de Gaza para evitar ataques após o fim da guerra.

Segundo relatos israelenses, a guerra começou quando militantes do grupo militante Hamas, que governa Gaza, atacaram Israel em 7 de outubro, matando 1.200 pessoas e fazendo 253 reféns. Em retaliação, Israel lançou um ataque militar a Gaza que, segundo as autoridades de saúde, matou quase 29 mil palestinos, e temem-se que outros milhares de corpos tenham sido perdidos entre as ruínas.


Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.


Sua assinatura foi bem-sucedida.

Em Dezembro, mais de três quartos dos 193 membros da Assembleia Geral da ONU votaram a favor de um cessar-fogo humanitário imediato. As resoluções da Assembleia Geral não são vinculativas, mas têm peso político e reflectem a visão global da guerra.



Fonte