Leila de Lima -NIÑO JESUS ​​​​ORBETA

A ex-senadora Leila de Lima disse na terça-feira que sua batalha legal teria sido “pior” sem o apoio de vigilantes dos direitos internacionais e de legisladores estrangeiros que pediram repetidamente sua libertação até que ela recebeu fiança no ano passado.

“Sinto-me extremamente abençoada por isso”, disse ela, acrescentando: “Significou muito para mim porque sem o apoio internacional, a perseguição teria sido mais grave”.

De Lima fez essas observações durante o fórum aberto da série de palestras Adrian E. Cristobal 2024, organizada pelo Instituto de Escrita Criativa da Universidade das Filipinas, onde foi a palestrante principal.

A ex-secretária da Justiça admitiu que o apoio internacional, reforçado por organizações locais, a ajudou durante a sua permanência de sete anos na detenção.

De Lima lembra que no seu primeiro dia de prisão em Camp Crame, sede da polícia de Quezon City, “apenas algumas vozes” vieram em sua defesa.

No entanto, com o passar dos anos, De Lima disse ter visto “cada vez mais” grupos e indivíduos virem em sua defesa, exigindo a sua libertação imediata e a rejeição das acusações contra ela, que descreveram como fabricadas.

Legisladores europeus e americanos

Aqueles que deram o seu apoio a De Lima incluíram membros do Parlamento Europeu, Parlamentares da ASEAN para os Direitos Humanos, Human Rights Watch, Amnistia Internacional e alguns senadores dos EUA, tanto Democratas como Republicanos.

Pela mesma razão, De Lima reconheceu o papel dos grupos locais, incluindo organizações progressistas, que continuaram a apoiar o seu apelo à liberdade.

LEIA: INQToday: Leila De Lima foi libertada sob fiança e libertada após quase sete anos

Em 13 de novembro de 2023, De Lima obteve fiança do Tribunal Municipal de Muntinlupa após quase sete anos de prisão, após a retirada de várias testemunhas de acusação.

A ex-senadora, uma crítica feroz do ex-presidente Rodrigo Duterte e da sua guerra às drogas, enfrenta a última das três acusações de porte ilegal de drogas movidas contra ela durante a sua administração.

Ela foi acusada de aceitar subornos de traficantes de drogas na prisão de New Bilibid, na cidade de Muntinlupa, enquanto era secretária de justiça. Ela insistiu que as alegações foram fabricadas pela administração anterior.

“Não é vingativo”

Durante o seu discurso, De Lima repetiu o seu plano de apresentar queixa contra Duterte e outros membros do seu gabinete.

Um dos advogados de De Lima, Dino de León, disse no ano passado que os processos judiciais contra a ex-presidente estavam “em andamento” e que todos os funcionários envolvidos em casos contra ela poderiam ser incluídos como réus no caso.

“Nunca vimos um presidente que… se envolvesse em ações tão misóginas contra uma mulher”, disse De Lima.

“Agora que estou livre, meus advogados estão pensando em abrir um processo contra ele e seus companheiros pelo assédio que ele me enfrentou”, acrescentou ela, arrancando aplausos do público.


Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.


Sua assinatura foi bem-sucedida.

“Eu não sou vingativo. A questão é que esta é uma questão de justiça e eles precisam perceber isso”, disse De Lima. INQ



Fonte