SINAL Turistas visitam as icônicas ruínas de Cagsawa na cidade de Daraga, província de Albay, para marcar o 300º aniversário da conclusão da igreja. Como parte da celebração do Festival de Cagsawa, que dura um mês, o governo local preparou atividades culturais, incluindo palestras históricas. – MARK ALVIC ESPLANA

DARAGA, ALBAY – O músico religioso Clarence Catubig, de 22 anos, começou a compreender verdadeiramente o significado das icônicas ruínas de Cagsawa, considerada a estrutura artificial mais fotografada do país.

Por ocasião dos 300 anos da Igreja de Cagsawa e sua comemoração durante o Festival de Cagsawa, Catubig assistiu a uma palestra do historiador Danilo Gerona sobre a igreja e a cultura e história de Daraga, que aconteceu no dia 1º de fevereiro na abertura do comemoração de um mês.

Conhecendo agora a sua história, Catubig passou a perceber como as ruínas enriqueceram o seu papel como instrumentista na Paróquia Nossa Senhora da Porta daquela cidade.

A festa em Cagsawa começou com uma Santa Missa solene. comemorado pelo Pe. Franciso Capila no espaço aberto das Ruínas de Cagsawa, seguido de bênção da feira de um mês e palestra.

“[Cagsawa Festival] é uma celebração da resiliência dos Albayanos, uma celebração da cultura, uma celebração da fé e uma celebração da identidade”, disse Catubig ao Inquirer.

A palestra e o simpósio de Gerona foram seguidos pela abertura de uma exposição em galeria de fotos do fotojornalista José Felipe “Ping” Peralta. A exposição ficará aberta até o final do mês.

A celebração deste ano também coincide com o 210º aniversário da enorme erupção do vulcão Mayon em 1814, que danificou a Igreja Cagsawa e destruiu a vizinha Igreja Budiao. As ruínas da primeira são muito visitadas por turistas, a segunda é objeto de pesquisas arqueológicas.

Vestidos com trajes coloridos, dançarinos de sete contingentes de toda a região de Bicol mostram a cultura e a história da primeira igreja de Cagsawa, concluída há 300 anos em Daraga, Albay, durante uma competição regional de dança de rua na sexta-feira.

FÉ NA COR Vestidos com trajes coloridos, dançarinos de sete contingentes de toda a região de Bicol mostram a cultura e a história da primeira igreja de Cagsawa, concluída há 300 anos em Daraga, Albay, durante uma competição regional de dança de rua realizada na sexta-feira. —FOTOS: HAROLD S. OLITIN/DARAGA ESCRITÓRIO DE INFORMAÇÃO PÚBLICA

Conclusão

A primeira igreja em Cagsawa, construída na década de 1580, foi construída com materiais leves e numa antiga carta de petição, os habitantes locais descreveram-na como tendo “pilares de madeira apodrecida”.

Gerona disse que vale a pena comemorar os 300 anos da conclusão da construção da igreja porque – na sua opinião – é uma apresentação de como as coisas foram construídas no passado.

“A maior parte do que é celebrado na história são coisas que já não existem e, no entanto, depois de 300 anos, aqui está um ícone que ainda está de pé”, disse Gerona ao Inquirer.

Ele disse que a Missão Franciscana em Cagsawa foi fundada em 1587 por Frei Pedro Bautista, que foi martirizado no Japão em 5 de fevereiro de 1597.

Cagsawa (então conhecida como Cagsaua) também é conhecida como a cidade de Camalig.

Quando os holandeses invadiram Albay na década de 1620, Cagsawa não foi poupado.

Cem anos depois, em 1721, uma petição local apelou a Frei Alonzo de la Zarsa, chefe dos franciscanos, para que lhes permitisse reconstruir a igreja de Cagsawa, desta vez com pedra.

Os moradores locais pediram permissão às autoridades eclesiásticas para coletar corais da Baía de Albay para permitir a reconstrução da igreja.

Conexão Iloilo

Em meados do século 18, Cagsawa tinha uma população grande o suficiente para ser considerada uma cidade.

Gerona informou que o requisito mínimo para que uma localidade fosse considerada cidade era então de 2.000 habitantes, mas Cagsawa já tinha 3.766 habitantes. Toda a Península de Bicol era mesmo a área mais populosa da época.

Naquela época havia 380 crianças em idade escolar em Cagsawa, muito mais do que na maioria das cidades.

“Isso (o grande número de estudantes) significava que a cultura já era rica em 1751”, disse Gerona durante palestra na abertura do festival.

Em 1775, Cagsawa manteve a sua posição como líder em população, com a sua população aumentando para 6.352 à medida que a cidade emergente continuava a atrair imigrantes.

“No passado, um dos barômetros do desenvolvimento era a população. Se a população for elevada, significa apenas que é atraente para os comerciantes. “Cagsawa tem sido uma vitrine de crescimento e acho que foi por causa da manila (cannabis de Manila)”, disse Gerona.

Acrescentou que a prosperidade de Cagsawa se deve à presença dos mestiços Ilonggo, que viram uma oportunidade de investir na manina devido à sua procura mundial. Isto foi registrado nas cartas de Frei Francisco Aragoneses, vigário de Cagsaw durante a erupção do Mayon em 1814.

Iloilo, então escrito Yloylo, foi uma das primeiras províncias do arquipélago a prosperar, e a maioria dos Ilonggos que viviam em Cagsawa vieram de Molo.

Celebração o ano todo

As autoridades locais em Daraga disseram que os Daragueños e os turistas têm muito o que esperar durante o festival de Cagsawa, que dura um mês, e celebra a rica cultura e história de Cagsawa desde o período pré-colonial até os dias atuais.

George Gio Brondial, funcionário do escritório de informação pública de Daraga, disse que as autoridades locais planejam transformar o Festival de Cagsawa em um evento durante todo o ano, com celebrações mensais celebrando a cultura e a história.

“Como celebramos a rica cultura e história, não fazemos isso [want] não poderia ficar de fora dos nossos eventos, por isso fizemos questão de incluir apresentações culturais”, disse Brondial.


Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.


Sua assinatura foi concluída com sucesso.

LEIA: Ruínas de Cagsawa em Albay abertas aos turistas

Disse que, além das habituais apresentações de dança de rua, Daraga também organizará uma noite cultural e competições para promover a língua local através de canções que retratam a cultura e a história de Cagsawa.

“Desta vez, um dos nossos programas é promover a cultura e a história de Daraga, por isso estamos trabalhando com especialistas culturais em Bicol para fortalecer ainda mais os programas de promoção cultural da cidade”, disse Brondial. – COM RELATÓRIO DE MAIDY V. BORAGAY / Estagiário do Inquirer



Fonte