ROCHAS FRÁGEIS Fotos aéreas tiradas em 13 de fevereiro de trabalhadores da Rizal Wind Energy Corp. de um drone escavando delicadas formações rochosas na Área Protegida Masungi Karst, na cidade de Tanay, província de Rizal. A Vena Energy, com sede em Singapura, empresa controladora da RWEC, disse que já havia interrompido a mineração em novembro do ano passado. —FOTO CORTESIA DA FUNDAÇÃO MASUNGI GEORESERVE

Os guardiões da georeserva de Masungi, na província de Rizal, estão pedindo a retirada de todas as licenças e certificados governamentais para um parque eólico planejado na área protegida sensível.

A Masungi Georeserve Foundation (MGF) anunciou na semana passada que a Rizal Wind Energy Corp. (RWEC) está perfurando a Área Protegida Masungi Karst (MKCA) no município de Tanay, onde a empresa planeja construir 12 turbinas eólicas.

Em fevereiro de 2019, o Conselho de Investimento anunciou a aprovação do projeto da central elétrica RWEC de 603 MW. No entanto, não ficou claro no anúncio se toda a eletricidade produzida viria de Tanay ou de turbinas eólicas localizadas em outras cidades de Rizal.

A MGF quer que o projecto seja transferido para fora da área protegida porque as turbinas representam uma ameaça “mortal” para as espécies locais de aves e morcegos. Verificou-se que qualquer perturbação no solo também poderia causar o colapso dos buracos.

Perfuração interrompida em novembro

O MKCA é uma área composta principalmente por cárstico, calcário e outras rochas moles que se dissolvem na água e são facilmente erodidas, especialmente por atividades humanas que envolvem maquinaria pesada.

A Vena Energy de Singapura, empresa-mãe da RWEC, disse na sexta-feira que suspendeu todas as perfurações, testes de solo e outras pesquisas na área a partir de novembro de 2023, após uma reunião com funcionários do MGF.

“Trabalhamos em estreita colaboração com as autoridades governamentais para obter todas as licenças necessárias, incluindo um Certificado de Conformidade Ambiental (ECC), para investigação sobre o potencial da energia eólica. Cumprimos as leis e regulamentos aplicáveis ​​relativos ao meio ambiente e às áreas protegidas”, disse Angela Tan, chefe do grupo de comunicações corporativas da Vena Energy, ao Inquirer.

De acordo com a cofundadora do MGF, Billie Dumaliang, os representantes da RWEC disseram-lhes que o projeto estava em um “estágio avançado de pré-desenvolvimento” e estava se preparando para comercialização assim que as licenças fossem obtidas.

Para a MGF, o principal problema continua sendo o fato de o projeto da turbina ainda estar em andamento.

O subsecretário de Meio Ambiente, Juan Miguel Cuna, disse na quarta-feira que o ECC foi garantido para o projeto.

Cuna disse à Radyo 630 que o Departamento de Meio Ambiente e Recursos Naturais (DENR) “proporá medidas de mitigação para enfrentar esses impactos e eliminá-los completamente ou minimizá-los”.

Não explicou quais eram os possíveis impactos do projecto e não especificou quais medidas de mitigação deveriam ser tomadas.

Espécies sensíveis

A MGF disse na terça-feira que a instalação de turbinas eólicas seria fatal para 100 espécies de aves e 30 espécies de morcegos na área. Estes incluem a águia-falcão filipina, ameaçada de extinção, e as primeiras raposas voadoras registradas em Rizal.

A raposa voadora malhada é um gênero de morcegos grandes encontrado apenas nas Filipinas. A sua presença em Masungi, onde foram avistados pela primeira vez em agosto de 2022, indica uma abundância de fontes de alimento e habitats florestais saudáveis.

A Georeserva Masungi, cerca de 37 quilómetros a leste de Manila, tem aproximadamente o mesmo tamanho que a bacia hidrográfica de La Mesa, a norte da capital filipina.

A fundação disse que o projecto de energia eólica pode afectar 500 hectares do MKCA porque envolve a criação de uma extensa rede rodoviária e o desmatamento de florestas e vegetação. Ela acrescentou que a área é muito sensível devido a sistemas subterrâneos, cavernas e sumidouros.

Dumaliang disse que a georeserva cobre 2.600 hectares de áreas florestais, incluindo 1.600 hectares de kart.

A Fundação afirmou que MKCA é um patrimônio natural coberto e protegido pela Proclamação Presidencial nº 1.636, pelo Departamento de Ordem Administrativa do DENR (DAO) 1993-33 e por uma portaria local da Unidade do Governo Local de Tanay que declara MKCA uma área protegida.

Zonas de uso múltiplo

No entanto, de acordo com Cuna, essas regras de décadas foram substituídas pela Lei do Sistema Nacional de Áreas Protegidas Integradas de 2018, que dividiu todo o Masungi em áreas protegidas e zonas de uso múltiplo.

Por razões de proteção ambiental, todos os tipos de projetos industriais são proibidos em áreas protegidas. Cuna disse que projetos de energia renovável, como parques eólicos, são permitidos em áreas designadas de uso múltiplo, como MKCA.

Dumaliang insistiu que a antiga ordem do DENR deveria continuar a ser seguida.

“A menos que outro secretário do DENR revogue ou anule expressamente a ordem do departamento, o DAO continua em vigor. Na política, existe uma lei ou política mais específica”, disse ela ao Inquirer na quinta-feira.

“Eu os desafio a me mostrarem o documento que revoga o DAO e qual secretário o assinou”, disse Dumaliang.

Sem consulta

O MGF observou que, dado que a geo-reserva é legalmente uma área protegida significativa no país, qualquer actividade na área deve ser reconsiderada, apesar das licenças emitidas. “Quaisquer licenças já emitidas devem ser retiradas devido à falta de consulta das principais partes interessadas, bem como à base científica inegável”, disse Dumaliang.

LEIA: Masungi está em outras áreas protegidas – DENR

Em 2023, o Bureau of Corrections (BuCor) anunciou planos para usar uma parte de 270 acres da área de conservação chamada “Lote 10” para construir uma nova instalação. A BuCor afirmou que a MGF “reconheceu e reconheceu” o direito da BuCor à localização potencial, mas a fundação negou.


Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.


Sua assinatura foi concluída com sucesso.

A BuCor citou a Proclamação nº 1.158 de 9 de setembro de 2006 durante a presidência de Gloria Macapagal-Arroyo, confirmando seu direito às terras de 270 hectares. Segundo a BuCor, ele recebeu a certidão de transferência emitida pelo Registro de Imóveis Moring de Rizal em 28 de setembro de 2022. – COM O RELATÓRIO DE PESQUISA DO INQUIRENTE



Fonte