EEntre as praias de Arecibo (Porto Rico) e Ferrol são aproximadamente 6.000 quilômetros e cinco horas de diferença. “Seguindo-o de longe, é como se tudo acontecesse mais devagar. Aí você tem uma certa tranquilidade, aqui não é o caso”, explica Carlos García, presidente da Federação Espanhola de Futebol, na Primera Plana. Aos 71 anos, 20 no cargo e depois de uma vida dedicada ao desporto (aos 18 já era treinador, neste caso do andebol), tivemos alguns dias frenéticos, pois o peculiar sistema de repescagem usado nos Isa World Surfing Games ofereceu poucos motivos para comemorar: Nadia Erostarbe (Zarautz) nos Jogos, Janire Gonzlez-Etxabarri (Zumaia) nos Jogos, Andy Criere (San Sebastin, embora baseado em Hendaye) nos Jogos… três vagas olímpicas em uma equipe de seis. “Eles fizeram história.” A Espanha, com 2.813 pontos, ocupa o quarto lugar na classificação geral por país.

“Estou muito feliz, orgulhoso do trabalho precário que está sendo realizado. Na verdade, não consigo encontrar um qualificador e gosto de usar a linguagem”, explica García, que Sente satisfação pelos atletas, logicamente, mas também por “pessoas que acreditaram no surf desde o início, embora de certa forma fosse marginal”.. O presidente fala com este suplemento na manhã de domingo. A competição ainda nem acabou e por isso ainda não teve oportunidade de discutir com Erostarbe, Etxabarri ou Criere. “Nesse sentido, sou um presidente estranho, tentando não interromper. Eles têm seu ritmo. Ligaremos para eles quando terminarem e estiverem calmos. Tenho que fazer assim porque não estou viajar é caro e não tem dinheiro”, apresenta.

Sua Federação tem alguns 75.000 licenças (“isto inclui aqueles que poderiam ser qualificados de profissionais, mas também aqueles que participam de campeonatos regionais, aqueles que frequentam escolas e até aqueles que querem ter para ajudar”), o que levaria a uma estimativa de 750 mil praticantes (“10% de federados, tendo em conta por outro lado que nos desportos costeiros e por pura lógica a percentagem de participação é menor”)… mas que gere um negócio volume inferior a um milhão e meio de euros e beneficia de um subsídio público que não atinge os 400 mil euros. “A Espanha não atribui recursos suficientes em função do desporto que pratica. Não existe uma lei sobre patrocínios que compense, exceto para as grandes empresas, e deveria ser aberto um debate sobre o financiamento. Nós, por exemplo, não temos um treinador remunerado. É uma pena termos qualificado 50% da equipe e não conseguirmos.”

É triste termos 50% da equipe, mas não podemos pagar o salário de um treinador

Carlos Garça (presidente da Federacin Espaola Surf)

García insiste que “poderia escrever um livro” sobre o que aconteceu nestas duas décadas: “Devo ser o único presidente que formou duas vezes a mesma Federação, porque na primeira houve um defeito de forma. , duas pessoas numa sala da minha casa.Quero também dar os parabéns às comunidades autónomas, porque é a elas que cabe o dia a dia, assim como a todas as pessoas que trabalharam sem esperar nada em troca. Um amigo me conta que transformamos algo que não era esporte, mas acredito que o surf é muito mais que um esporte.. “Há anos que chamamos a atenção para o ambiente ou para a água limpa e os nossos campeonatos deixam uma pegada de carbono positiva.”

Vale lembrar que a sede dos Jogos será Teahupoo, a aproximadamente 15 mil quilômetros de Paris. “Você terá que treinar a onda em que vai competir… e isso custará mais.” Em todo caso, fecha-se uma ferida aberta por não haver presença espanhola em Tóquio: “O esporte é assim. Se fosse matemática… Tudo conspirou contra ele e foi deixado de lado até Aritz Aranburu, com a experiência que teve e No momento Vive, tivemos três meninas entre as 12 primeiras e elas foram eliminadas no primeiro turno. Se ao menos tivéssemos feito o tour da única onda de esquerdistas que chegou naquele dia! Existem muitas variáveis ​​e é muito mais complexo do que você pensa.. “Não há duas ondas iguais.”

Medalhas? “Será muito difícil, mas se conseguirmos que eles compitam contra pessoas de grande nível e eles fizerem o que fizeram, eles também poderão conseguir isso nos Jogos.” García de fato faz um alerta para o futuro: “Há muita qualidade vindo de trás. Kai Odriozola tem 18 anos e está prestes a se envolver também. Teremos grandes gerações, com crescimento paralelo entre homens e mulheres. Em quatro anos estaremos ainda melhores“. E isso levando em conta o fato de que “se você não ganha dinheiro trabalhando para si, procurando uma vida, dificilmente você consegue crescer”. Na verdade, neste desejo de gerar seus próprios recursos, a Federação está trabalhando em uma plataforma para que qualquer pessoa possa assistir a um canal enquanto navega em seu próprio celular.



Fonte