Numa conversa no palco do evento Qumra do Doha Film Institute, na segunda-feira, o cineasta francês Leos Carax descreveu a natureza sagrada da imagem e a dificuldade de manter o seu poder no grande ecrã na era digital.

O produtor disse que o longa-metragem de 2008 mudou para a filmagem digital por sua vez. Tóquio! é um de seus primeiros trabalhos após a morte de seu querido diretor de fotografia Jean-Yves Escoffier, falecido em 2003, aos 52 anos.

Embora Carax tenha decidido parar de assistir aos diários a partir de então, ele explicou que a mudança mudou seu processo de filmagem, fazendo com que ele abandonasse o hábito de fazer múltiplas tomadas.

O realizador admitiu que apesar de já terem passado 15 anos, não gosta muito de filmagem digital.

“Eu não venho de lá. Ainda acho que isso faz mal até para os olhos. “Tornou-se um problema tão grande no digital que temos muitas filmagens”, disse ele. “Algumas pessoas gostam, outras ficam cansadas, mas todos podemos dizer que estamos fartos disso.”

“Se eu fosse um ditador, um bom ditador, diz o rei ou a rainha, o xeque ou o emir ou o que quer que seja, não deixaria as pessoas publicarem mais de 24 fotos por ano”, brincou. “Na religião, na religião muçulmana, as imagens eram sagradas. Passamos disso para muitas filmagens.

Mais adiante na conversa, Carax comentou sobre a dificuldade de inovar a imagem em movimento para atrair novos públicos.

“Esta é a única forma de arte para a qual uma máquina precisa ser inventada para existir”, disse ele sobre o cinema. “Tão jovem, com apenas um século, mas tão velho ao mesmo tempo.

“É preciso reinventar cada geração… Volta ao que dissemos anteriormente sobre as imagens sagradas, é preciso reinventar o poder dos filmes mudos. Quem assistiu ao primeiro filme verá esse trem chegando na estação ferroviária. [L’Arrivée d’un train en gare de La Ciotat], Eles estavam com medo. Se você mostrasse este filme para uma criança de três anos hoje, ela ficaria entediada. É preciso redescobrir esse poder, esse espanto; “Essa é a paixão e o desafio de fazer filmes.”

Filme cabideiro de 2008 Tóquio! O filme, que também contou com partes de Michel Gondry e Bong Joon Ho, foi o primeiro grande esforço de Carax nas telas desde seu fracasso de bilheteria em 1999. polaIsso aconteceu depois de três anos de filmagens cansativas e acima do orçamento para o filme cult de 1991. Amantes na ponte.

O colaborador de longa data Denis Lavant estrela como uma criatura subterrânea mortal chamada Merde, que emerge dos esgotos para causar estragos nas ruas da capital japonesa.

Carax descreveu Lavant e Escoffier, que estavam trabalhando em seus três primeiros longas-metragens: Garoto conhece garota, Noite jovem (sangue ruim) E Amantes na ponte – figuras importantes dos primórdios do cinema, sem as quais, segundo ele, provavelmente não teria se tornado um diretor de cinema de pleno direito.

“Quando o conheci, eu tinha 20 anos e ele 30”, disse Carax sobre Escoffier. “Ele já havia feito documentários e começou como diretor de fotografia. “Tornamo-nos como irmãos e nos vimos todos os dias durante 10 anos.”

Carax explicou como escolheu Lavant por palpite quando procurava alguém para interpretar o protagonista masculino. Garoto conhece garotaao lado de sua então namorada Mireille Perrier.

“Eu tive uma filha, mas não tive filho. Tive que atrasar a filmagem. Não consegui encontrar esse garoto. “Eu estava olhando para a rua, olhando para jovens atores, jovens músicos… aí vi uma foto desse menino que tinha a minha idade e a minha altura, com essa cara estranha”, explicou.

“Eu não tinha certeza se ele era um bom ator ou bom para o papel, mas achei que não tinha escolha, pelo menos ele é diferente. “Ele já era um artista que veio do circo, do teatro e da pantomima, mas não tinha interesse por cinema”.

Lavant apareceu em quatro dos seis longas-metragens de Carax e em breve aparecerá no próximo filme de 40 minutos do diretor. Este não sou eu.

Carax disse que o novo filme surgiu depois que um museu de Paris solicitou um autorretrato.

“Era para ser um filme de 10 a 15 minutos. Primeira vez que editei algo sozinho sem Nellie [his long-time editor Nelly Quettier]. Mesmo não tendo feito a exposição, acabei fazendo esse filme… uns 40 minutos. “Trabalhar sozinho é muito interessante”, disse ele.

“Denis e eu tivemos uma boa semana, mas o resto foram imagens do meu arquivo, de outras pessoas e do meu iPhone”, acrescentou.

Carax está entre os seis principais profissionais do cinema que se juntaram ao projeto Qumra da DFI e ao evento de incubação de desenvolvimento de talentos esta semana como um dos Mestres Qumra, juntamente com Toni Collette, Jim Sheridan, Claire Denis, Martin Hernández e Atom Egoyan.

Fonte