A emissora pública de Israel inverteu a sua posição anterior e exigirá que a letra de uma canção considerada para o concurso Eurovisão deste ano seja alterada.

A Eurovisão proibiu a música na semana passada, alegando que violava as regras de neutralidade política nas letras. Entrada israelense do artista Eden Golan, Chuva de outubroContém referências ao ataque do Hamas a Israel em 7 de outubro.

A emissora israelense Kan, que determinará qual música entrará na Eurovisão do país, prometeu na semana passada que não solicitaria alterações na letra. Mas o presidente israelense, Isaac Herzog, pediu hoje que sejam feitos “ajustes necessários” para garantir que Israel possa entrar no espetáculo.

Blood também considera uma música chamada Dance para sempre.

Mensagens políticas levaram à proibição de músicas no passado, como a entrada da Geórgia em 2009.

Israel venceu o Festival Eurovisão da Canção quatro vezes. O evento deste ano será realizado na Suécia em maio.

Kan disse em comunicado no domingo que pediu aos compositores de ambas as músicas em questão que “readaptassem os textos, preservando sua liberdade artística”.

Kan enfatizou que o presidente Herzog “está precisamente no momento em que aqueles que nos odeiam estão tentando suprimir e boicotar o Estado de Israel” e que o país “precisa levantar a sua voz” nos fóruns internacionais.

A decisão sobre qual música Israel apresentará será confirmada no próximo domingo.

letras originais Chuva de outubro – escrito em inglês – foi publicado no site de Kan no mês passado.

“Todos eram bons filhos, cada um deles” e “Quem disse a vocês, crianças, não chorem/ Por horas/ E flores/ A vida não é um jogo para covardes”.

A mídia israelense notou que as referências a flores se referiam principalmente a mortos na guerra.

Artistas pediram que Israel fosse excluído da Eurovisão este ano devido ao tratamento dado a Gaza. Estes incluem artistas da Islândia, Finlândia, Noruega, Dinamarca e Suécia; muitos salientam que a Rússia foi desqualificada desde a invasão em grande escala da Ucrânia, há dois anos.

Os organizadores da Eurovisão dizem que as situações na Ucrânia e em Gaza são diferentes.

Fonte