A crise que abalou o Congresso de Todos os Progressistas (APC) no estado de Edo em fevereiro passado parece não ter diminuído nas primárias para governador, com um dos candidatos, Hon Dennis Idahosa, fazendo uma petição ao presidente da Comissão Eleitoral Nacional Independente (INEC), Professor Mahmud Yakubu. Ele pediu-lhe que não aceitasse outro nome além dele como candidato do partido.

O DAILY POST noticiou a petição do deputado que representa o círculo eleitoral federal de Ovia na Assembleia Nacional, datada

Escrito em 4 de março de 2024 por Wole Olanipekun,SAN e marcado como WOC/ABJ/VOL.01/074/2024.

Na petição dirigida ao Presidente Nacional do INEC, Professor Mahmud Yakubu, Idahosa disse que um processo judicial entre ele e o Senador Monday Okpebholo, APC e INEC, Processo nº FHC/ABJ/CS/274/2024, está atualmente no Processo nº. .FHC/ABJ/CS/274/2024 aqui afirma a candidatura do partido e insta o INEC a apreciar o caso.

Na ação, Idahosa disse que venceu as primárias para governador de 17 de fevereiro de 2024, que foram monitoradas pelo INEC.

Afirmou que foi declarado vencedor nas eleições primárias e argumentou que as eleições adicionais ordenadas pela liderança do partido não tinham fundamento, uma vez que não foi dada qualquer razão para a decisão.

Afirmou também que a reeleição a realizar no dia 22 de Fevereiro não é uma eleição independente, mas sim uma continuação da prática de 17 de Fevereiro e que os resultados da prática de 17 de Fevereiro não podem ser ignorados.

Segundo ele, os registos do INEC mostrarão que, sob a sua liderança, a Comissão acompanhou as primárias da APC do Estado de Edo para a nomeação do candidato a governador da APC, mediante aviso prévio de que as primárias seriam realizadas especificamente no dia 17 de fevereiro. , 2024.

“As eleições primárias foram de fato realizadas e nosso cliente recebeu 40.453 votos (uma cópia do resultado certificado pelo INEC está anexada aqui como Anexo 1).

“O relatório de monitorização eleitoral do INEC confirma isto. E no final do processo, o nosso cliente regressou como candidato devidamente eleito da APC (uma cópia do relatório do INEC aprovado pela Comissão consta do Anexo 2).

“O comitê eleitoral primário da APC que conduziu a eleição também confirmou que nosso cliente venceu a eleição; isto é evidenciado por um relatório assinado por todos os membros da comissão (sem um único caso de dissidência).

“O nosso cliente está ciente de que a APC confirmou posteriormente ao INEC que as eleições primárias foram realizadas em 17 de fevereiro de 2024, conforme planeado. No entanto, sem dar qualquer justificação, afirmou que a eleição foi inconclusiva e seria concluída em 22 de fevereiro de 2024, e convidou o INEC a acompanhar o exercício de conclusão.

“Finalmente, e em relação ao exercício de conclusão, fomos informados que o senador Monday Okpebholo recebeu 12 pontos enquanto o nosso cliente recebeu 6.541 votos. O senador Monday Okpebholo recebeu 100 votos nas primárias de 17 de fevereiro de 2024 (uma cópia certificada pelo INEC da página de resultados para a conclusão das primárias de 22 de fevereiro de 2024 está anexada como Anexo 3).

“Nosso cliente não concorda que as eleições primárias de 17 de fevereiro de 2024 tenham sido inconclusivas ou que tenha havido qualquer base para planejar o que foi descrito como a conclusão do processo. O processo nº FHC/ABJ/CS/274/2024 foi criado para resolver essa dificuldade”, disse ele.

Ele observou que atualmente, o INEC está sob custódia de dois resultados datados de 17 de fevereiro de 2024 e 23 de fevereiro de 2024, respectivamente, para as primárias da APC para a eleição para governador de 2024 no estado de Edo.

Ele argumentou que o total de votos em ambos os resultados mostrava claramente que ele venceu as primárias, mesmo que os resultados de 17 de fevereiro de 2024 fossem os únicos votos levados em consideração.

Idahosa também argumentou que a declaração da APC ao INEC de que o processo de 22 de Fevereiro de 2024 foi uma conclusão foi uma admissão de que não era independente e de facto teve a sua base nas eleições de 17 de Fevereiro de 2024.

No entanto, afirmou que a comissão deveria considerar que existem liminares pendentes para medidas provisórias no caso FHC/ABJ/CS/274/2024 e, portanto, não deveria tomar quaisquer medidas que obstruíssem o tribunal ou prejudicassem o processo judicial em curso. transações.



Fonte