Pessoas correm para um caminhão de ajuda que transporta sacos de farinha no bairro de Al Zaytun, durante o conflito em curso entre Israel e o grupo islâmico palestino Hamas, na cidade de Gaza, nesta imagem estática com vídeo, 2 de março de 2024. REUTERS TV via REUTERS

CAIRO – Esperava-se que os mediadores se reunissem novamente no Cairo já no domingo e buscassem uma fórmula para um cessar-fogo duradouro em Gaza aceitável para Israel e o Hamas, disseram fontes com conhecimento das negociações, depois que governos estrangeiros recorreram a lançamentos aéreos para ajudar civis desesperados na Palestina e enclave.

Duas fontes de segurança egípcias disseram que delegações de Israel e do Hamas estavam programadas para chegar ao Cairo no domingo, embora outra fonte informada sobre as negociações tenha dito que Israel não enviaria uma delegação até receber uma lista completa de reféns ainda vivos.

As esperanças de uma primeira pausa nos combates desde novembro aumentaram na semana passada, após uma rodada anterior de negociações mediadas pelo Catar e pelo Egito em Doha e pelos sinais do presidente dos EUA, Joe Biden, de que um acordo estava próximo.

Um alto funcionário dos EUA disse no sábado que uma estrutura para uma pausa de seis semanas nos combates está em vigor com o consentimento de Israel e agora depende da concordância do Hamas em libertar os reféns que mantém em Gaza desde os ataques de 7 de outubro no sul de Israel.

“O caminho para um cessar-fogo neste momento, literalmente nesta hora, é direto. E há um acordo em cima da mesa. Existe um acordo-quadro. Os israelenses aceitaram mais ou menos isso”, disse o funcionário aos repórteres. “O fardo agora recai sobre o Hamas.”

Biden expressou esperança de que um cessar-fogo seja implementado até o mês de jejum muçulmano do Ramadã, que começa em 10 de março.

Biden e outros líderes mundiais estão sob pressão crescente para aliviar a situação cada vez mais desesperada dos palestinianos após cinco meses de guerra e o bloqueio israelita a Gaza. As Nações Unidas afirmam que um quarto da população – 576 mil pessoas – está à beira da fome.

As autoridades de saúde na Faixa de Gaza disseram que as forças israelenses mataram 118 pessoas na quinta-feira enquanto tentavam chegar a um comboio de ajuda perto da Cidade de Gaza, provocando indignação global com o desastre humanitário. Um dia depois, Biden anunciou planos para um lançamento aéreo americano no sábado, que também incluiu forças jordanianas.

Outros países, incluindo a Jordânia e a França, já lançaram ajuda aérea em Gaza.

Um desastre humanitário

Os Estados Unidos há meses instam Israel a permitir mais ajuda a Gaza, à qual Israel se opõe. Alguns especialistas dizem que ser forçado a recorrer a ataques aéreos dispendiosos e ineficientes é o mais recente sinal da influência limitada de Washington sobre o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Israel nega reduzir a ajuda humanitária à população civil de Gaza.

Aviões militares dos EUA libertaram 38 mil reforços sobre Gaza, excedendo em muito a ajuda necessária aos 2,2 milhões de habitantes do território. As autoridades americanas disseram que este foi o primeiro de um esforço contínuo.

LEIA: ‘Último recurso’: Doadores esperam fornecer lançamentos aéreos a Gaza

Israel contesta o número de mortos divulgado pelo Ministério da Saúde no desastre do comboio de alimentos e diz que a maioria das vítimas foi pisoteada ou atropelada.

Israel lançou a ofensiva em resposta a um ataque de 7 de outubro do Hamas, cujos combatentes atravessaram a fronteira da Faixa de Gaza, matando 1.200 pessoas e raptando outras 253, segundo dados israelitas.

O ataque destruiu Gaza. Segundo as autoridades de saúde de Gaza, grande parte do enclave controlado pelo Hamas foi devastada, com mais de 30 mil pessoas mortas e dezenas de milhares de feridas.

Os combates começaram na manhã de domingo, quando moradores relataram sons de tiros pesados ​​e tanques se aproximando em torno de Khan Younis, uma cidade no sul da Faixa de Gaza.

Nos arredores de Rafah, outra cidade do sul onde mais de um milhão de palestinos buscaram refúgio na fronteira com o Egito, as autoridades disseram que 25 pessoas foram mortas entre a manhã de sábado e domingo. Entre eles estavam 11 pessoas que morreram num ataque aéreo israelense contra uma tenda perto do hospital e 14 pessoas de uma família que morreram num ataque em casa.

O Hamas não recuou da sua posição de que uma trégua temporária deve ser o início de um processo que conduza ao fim completo da guerra, disseram fontes egípcias e um responsável do Hamas.

No entanto, fontes egípcias disseram que o Hamas estava certo de que as condições para um cessar-fogo permanente seriam definidas na segunda e terceira fases do acordo. Fontes dizem que foi acordado um intervalo inicial de cerca de seis semanas.


Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.


Sua assinatura foi bem-sucedida.

O Hamas e Israel não responderam aos pedidos de comentários.



Fonte