ACENDENDO A CHAMA VS. CHA-CHA Ao se reunirem novamente para comemorar a Revolução do Poder Popular da Edsa em 1986, grupos da sociedade civil e líderes da oposição têm um apelo muito específico este ano: manter vivo o espírito da Edsa para bloquear esforços renovados para alterar a Constituição, um documento ratificado pela administração cargos do falecido presidente Cory Aquino. (Foto: LYN RILLON)

MANILA, Filipinas – Judy Taguiwalo assistiu enquanto oradores claramente descontentes reuniram aqueles que protestavam contra a mudança da Carta.

No domingo, ela ficou em frente ao Templo Edsa durante o 38º aniversário da Revolução do Poder Popular.

Usando uma bengala, o homem de 74 anos ficou a poucos metros do palco e viu os jovens gritarem: “Não ao Cha-cha”.

Ela olhou para o povo que continuou a lutar pela preservação da Constituição de 1987, que “estabeleceu” a legitimidade da revolução que derrubou o ditador – o ex-presidente Ferdinand Marcos Sr.

Taguiwalo não estava em Edsa quando ocorreu a revolução.

Ela foi condenada à prisão de Camp Crame por ter sido ativista durante a administração do ex-presidente. Ela foi libertada após uma rebelião sem derramamento de sangue.

“Estamos aqui novamente porque queremos deixar claro que a batalha de Edsa continua, porque o problema da pobreza ainda existe e ainda existem questões de direitos humanos”, disse um antigo preso político ao INQUIRER.net.

Ela disse que ver os jovens defendendo a democracia 38 anos depois da revolução apoiada pelo exército a deixa feliz porque significa que o desejo de uma Filipinas melhor não morreu entre os jovens.

No meio do barulho da manifestação, a activista de longa data gritou ao ouvido do repórter a sua crença de que a luta pelos ideais democráticos de Edsa era como uma “corrida de revezamento” que deveria ser transmitida às próximas gerações.

“São eles (os jovens) que vão continuar a batalha de Edsa. Acho que o espírito de Edsa não morrerá enquanto o amor pelo país arder entre os jovens filipinos”, observou Judy.

A ex-secretária de Serviços Humanos Judy Taguiwalo emitiu um alerta contra o RevGov.  FOTO/Noy Morcoso, INQUIRER.net

Ex-secretária de Serviços Humanos Judy Taguiwalo (foto de arquivo de NOY MORCOSO, INQUIRER.net 30 de novembro de 2017)

As celebrações deste ano contaram com a participação de jovens de vários grupos multissectoriais e universidades.

Alguns deles carregavam bandeiras e piquetes.

Entre os que aderiram estava Sylwyn Abad, de 34 anos.

Sylwyn, que está grávida de oito meses, levou consigo o filho de dois anos ao comício em Edsa.

“Não quero que os meus filhos cresçam numa Filipinas dominada por estrangeiros. Essa é uma das razões pelas quais estamos aqui”, disse ela.

O seu filho corria na mesma rua onde milhões de filipinos se reuniram em 1986 para inaugurar uma “nova era” de democracia no país.

Comemorar a Revolução do Poder Popular tem sido uma tradição para Sylwyn, que participa da comemoração anual desde 2013.

“Quero que os jovens entendam que não podemos ser ditados pelos líderes em quem votamos. Em vez disso, eles deveriam saber que o poder está nas pessoas”, explicou ela.

O Aniversário do Poder Popular deste ano não foi reconhecido como feriado conforme declarado na Proclamação nº 368 assinada pelo Presidente Ferdinand Marcos Jr. 11 de outubro de 2023

Alguns activistas disseram que era uma tentativa de “revisionismo histórico”.

Funcionários do governo, no entanto, explicaram que esta decisão foi tomada simplesmente porque o aniversário caiu num domingo.

Apesar destes desenvolvimentos, os líderes pró-democracia, incluindo o antigo preso político Satur Ocampo, disseram que a revolução sem derramamento de sangue nunca poderia ser esquecida até que os seus objectivos de reformas estruturais e democracia fossem alcançados.


Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.


Sua assinatura foi bem-sucedida.

“As promessas da Edsa e a promessa de mudança estão agora nas mãos dos jovens que estão aqui ao nosso redor”, disse Taguiwalo, radiante de esperança.



Fonte