Apoiadores do ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro participam de um protesto na Avenida Paulista enquanto a polícia investiga ele e seu gabinete por supostamente planejarem um golpe após as eleições de 2022, São Paulo, Brasil, 25 de fevereiro de 2024. REUTERS/Carla Carniel

SÃO PAULO – O ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro reuniu milhares de apoiadores na famosa Avenida Paulista, em São Paulo, neste domingo, para demonstrar poder político em meio a investigações que muitos temem que possam levá-lo à prisão.

O antigo presidente de extrema-direita, que convocou a manifestação depois de ter sido alvo de uma operação no início deste mês por parte da polícia que investigava uma alegada tentativa de golpe de estado, falou durante cerca de 20 minutos para se defender, recordando o seu mandato 2019-2022.

LEIA: Bolsonaro está proibido de ocupar cargos públicos no Brasil até 2030

Ele se absteve de atacar velhos inimigos e a Suprema Corte. Os Aliados expressaram preocupação antes do evento de que quaisquer comentários contra as autoridades ou instituições brasileiras pudessem empurrá-lo para uma situação ainda pior.

Bolsonaro teve seu passaporte confiscado e foi acusado de redigir um decreto para invalidar os resultados eleitorais, pressionar comandantes militares a aderirem a uma tentativa de golpe e planejar prender um juiz do Supremo Tribunal Federal após sua derrota eleitoral para o presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva em 2022 r.

Apoiadores de Bolsonaro, um populista frequentemente comparado ao ex-presidente dos EUA, Donald Trump, invadiram e saquearam o palácio presidencial, o Supremo Tribunal e o Congresso do Brasil, apelando a um golpe militar em 8 de janeiro de 2023, uma semana após a posse de Lula.

No domingo, Bolsonaro negou as acusações e disse que foi “perseguido”, acrescentando que o projeto de decreto se baseava na Constituição. Ele também pediu anistia para as pessoas que participaram dos distúrbios de 8 de janeiro.

“Golpe é colocar tanques nas ruas, armas, conspiração. Isso nunca aconteceu no Brasil”, disse Bolsonaro. “Eu quero pacificação. Para apagar o passado e encontrar uma maneira de vivermos em paz.”

O ex-presidente brasileiro Bolsonaro está convocando um protesto em meio a uma investigação policial de São Paulo sobre ele e seu gabinete por supostamente planejarem um golpe após as eleições de 2022.

O ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro cumprimenta apoiadores reunidos na Avenida Paulista enquanto a polícia investiga ele e seu gabinete por supostamente planejarem um golpe após as eleições de 2022, São Paulo, Brasil, 25 de fevereiro de 2024. REUTERS/Carla Carniel

Bandeiras de Israel

O líder da extrema-direita fez o seu discurso em cima de um camião rodeado por apoiantes vestidos de verde e amarelo, muitos dos quais também carregavam bandeiras israelitas.

Lula está no meio de uma disputa diplomática com Israel devido a comentários nos quais comparou a guerra de Israel em Gaza ao genocídio nazista durante a Segunda Guerra Mundial.

Bolsonaro, que na semana passada chamou os comentários do presidente de esquerda de “criminosos”, também desfraldou uma bandeira israelense.

Os aliados esperam que a manifestação de domingo mostre que Bolsonaro, que está impedido de concorrer ao cargo até 2030 por espalhar fraude eleitoral e enfrenta várias outras investigações criminais, ainda exerce o poder político num Brasil profundamente polarizado.

“Ele não está morto, é competitivo e não pode haver injustiça”, disse o deputado Marco Feliciano, membro do Partido Liberal de Bolsonaro, acrescentando que se o ex-presidente fosse preso, o Brasil “cairia no caos”.

A manifestação contou com a presença de dezenas de legisladores e alguns governadores de estado, incluindo o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, que serviu como ministro da Infraestrutura de Bolsonaro e é visto como um potencial sucessor da política de direita do Brasil.


Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.


Sua assinatura foi bem-sucedida.

“Ele quer tentar mostrar sua força perante o Supremo e permanecer politicamente viável mesmo se for preso”, disse uma fonte próxima a Bolsonaro, comparando-o a Lula, que passou 580 dias na prisão em 2018-2019 por acusações de corrupção antes sua condenação foi anulada.



Fonte