MANILA, Filipinas – Vice-marechal sênior Aurelio Gonzales Jr. dissipou as preocupações de que a Resolução nº 7 era inconsistente com a Constituição de 1987, argumentando que as disposições do Artigo XVII estipulavam que as emendas poderiam ser feitas por uma votação de três quartos de todos os membros do Congresso.

Em mensagem de vídeo na quinta-feira, Gonzales disse que a Câmara cumpriu o art. XVII somente quando desenvolveu a RBH nº 7 – proposta de alteração dos dispositivos econômicos da Constituição de 1987, nos moldes da RBH nº 6 do Senado.

A Seção 1 do Artigo XVII estabelece que “qualquer emenda ou revisão desta Constituição” pode ser proposta pelo “Congresso, por uma maioria de três quartos de todos os seus membros; ou convenção constitucional.”

“Nosso presidente declarou aos nossos senadores e parlamentares que focaríamos na alteração da nossa Constituição de 1987, e foi isso que fizemos na Câmara, a Resolução nº 2007/2007. 7 que simplesmente cumprimos o Artigo XVII, Seção 1, Parágrafo 1”, disse Gonzales.

(Nosso Presidente declarou aos nossos senadores e congressistas que nos concentraríamos em alterar nossa Constituição de 1987, e foi por isso que fizemos exatamente isso na Câmara com a Resolução 7 da Câmara, que criamos sob o Artigo XVII, seção 1, seção 1.)

“Então nos mantivemos firmes, não fomos além da Constituição”, acrescentou.

(Foi isso que seguimos, não saímos da Constituição.)

LEIA: Líderes da Câmara apresentam RBH 7, refletindo a versão do Senado sobre emendas econômicas

Gonzales espera que, uma vez esclarecidos, tanto a Câmara como o Senado possam trabalhar na finalização das alterações constitucionais propostas.

“Portanto não se preocupem, enquanto isso acontecer, haverá uma conferência bicameral e ambas as Câmaras estão de boa fé. Espero que consigamos ultrapassá-lo se confiarmos uns nos outros. Não há razão para que não possamos adotar as alterações à Constituição de 1987.” Gonzales observou.

(Portanto, não se preocupe. A conferência será bicameral porque estamos de boa fé, ambas as Câmaras. Portanto, espero que possamos aprová-la porque, se confiarmos uns nos outros, não haverá obstáculos para alterar a Constituição de 1987.) .

Na segunda-feira passada, Gonzales, o vice-presidente David Suarez e o líder da maioria Manuel José Dalipe apresentaram o RBH nº 7, que, segundo eles, já imita o RBH nº 6 do Senado, na tentativa de acabar com o impasse entre as duas casas do Congresso.

As disposições do RBH nº 7 da Câmara e do RBH nº 6 do Senado são idênticas, exceto por uma passagem – a resolução do Senado previa que as emendas entrariam em vigor por maioria de três quartos de seus membros, sendo cada votação na casa separadamente.

A Câmara, por outro lado, apelou à votação por maioria de três quartos de todos os seus membros – sem especificar se a votação foi conjunta ou separada.

Na quarta-feira, o presidente do Senado, Juan Miguel Zubiri, disse que preferia que a Câmara aprovasse o RBH nº 6 da Câmara Alta para acabar com todas as confusões e disputas.

As audiências sobre o RBH nº 6 no Senado começaram em 5 de fevereiro do ano passado, enquanto Dalipe disse que a Câmara se reuniria como uma comissão completa a partir de segunda-feira, 26 de fevereiro, para considerar o RBH nº 7.

A Câmara realizará audiências plenárias das 13h às 16h ou antes do início da sessão plenária.

LER: A Câmara se reunirá como uma comissão do todo para discutir o RBH 7

Dalipe garantiu ao público que as discussões seriam cansativas, uma vez que as audiências durariam semanas com o objectivo de adoptar uma resolução antes do recesso do Congresso para a Quaresma.


Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.


Sua assinatura foi bem-sucedida.

Outros legisladores disseram que não estavam apressando o projeto de lei, observando que alguns dos argumentos já haviam sido discutidos durante a apreciação pela Câmara do seu próprio RBH nº 6, que foi aprovado em março de 2023.



Fonte