TAREFAS ADICIONAIS Uma das primeiras preocupações levantadas no Edcom 2 é a extensa multitarefa exigida dos professores das escolas públicas. As conclusões preliminares mostram que os professores de hoje podem ter até 50 tarefas adicionais além da sua função básica. —FOTO DO ARQUIVO DE PERGUNTAS

A Associação de Professores Preocupados (ACT) solicitou na quarta-feira ao Departamento de Educação (DepEd) que atualizasse suas diretrizes salariais para professores que optam por trabalhar em julho, antes da abertura do novo ano letivo 2024-2025.

O presidente da ACT, Vladimer Quetua, instou o DepEd a conceder aos professores participantes o pagamento integral, já que sua carga de trabalho e despesas diárias são as mesmas dos dias letivos normais, mesmo que trabalhem apenas algumas horas.

As atividades relacionadas com a abertura do jardim de infância incluem os Acampamentos Nacionais de Ciências, Palarong Pambansa, matrícula de alunos e o programa Brigada Eskwela.

Quetua explicou que o seu pedido está relacionado com o recém-emitido Despacho Departamental (DO) n.º 003, série de 2024, que prevê ajustes graduais no calendário escolar em preparação para o regresso ao antigo horário escolar, em que as aulas começam em junho. e termina em junho. Marchar.

De acordo com o DO 3 do DepEd, os professores terão um intervalo de 30 dias, de 1º a 30 de junho, o que significa que não podem ser forçados a trabalhar. No entanto, eles podem participar das atividades escolares por sua própria vontade.

LEIA: Professores também precisam descansar após 10 meses de trabalho, diz DepEd

Quetua disse que os professores das escolas públicas estão ansiosos por participar nestas actividades, que normalmente decorrem no mês de Julho, mas não recebem remuneração integral porque só podem trabalhar algumas horas por dia.

Normalmente, os professores teriam que trabalhar oito horas durante essas aulas para receber o pagamento integral.

“Os professores ficam perdidos face a esta política porque mesmo que trabalhemos apenas algumas horas, sentimos a mesma sensação de exaustão e as nossas despesas são as mesmas como se trabalhássemos um dia inteiro”, disse Quetua ao Inquirer em uma entrevista por telefone.

Ele acrescentou que a ACT escreverá ao DepEd o mais rápido possível para levantar esta preocupação e também buscará mais diálogo sobre o assunto.

Quetua disse que seu grupo também instará o DepEd a fornecer orientação sobre as mudanças esperadas nos créditos de serviço docente durante o diálogo proposto.

O DepEd já havia citado vários motivos para o retorno ao antigo calendário escolar, incluindo reclamações sobre o calor extremo que alunos, professores e funcionários escolares tiveram de enfrentar, especialmente durante os meses de verão de abril e maio.

No entanto, de acordo com o grupo de defesa Philippine Business for Education (PBEd), a agência ainda deve considerar a “continuidade e condutividade do ambiente de aprendizagem”.

“A decisão de regressar ao antigo calendário académico não deve ser vista como uma medida provisória para resolver os problemas subjacentes que tornam insuportável o calendário escolar existente”, afirma o comunicado.


Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.


Sua assinatura foi bem-sucedida.

O PBEd também sugeriu que o governo garantisse que as salas de aula pudessem resistir a condições climáticas extremas.



Fonte