“Rene” – ex-membro do Reino de Jesus Cristo (KJC) e arquiteto paisagista da Glory Mountain do líder da seita Apollo Quiboloya e suposta testemunha dos supostos crimes do pastor – afirma ter visto o ex-presidente Rodrigo Duterte e a vice-presidente Sara Duterte visitou o imóvel e, ao sair, levou carregando uma sacola com arma de fogo. René fez essas afirmações durante uma audiência perante a Comissão do Senado sobre Mulheres, Crianças, Relações Familiares e Igualdade de Gênero na segunda-feira, 19 de fevereiro de 2024. O painel está investigando as supostas irregularidades de Quiboloy e seu KJC. Captura de tela do canal do Senado no YT

MANILA, Filipinas – Um ex-membro do Reino de Jesus Cristo (KJC) ligou o ex-presidente Rodrigo Duterte e a vice-presidente Sara Duterte ao líder da seita Apollo Quiboloy, que está sob investigação por seus supostos crimes.

Na segunda-feira, durante uma audiência pública perante o Comitê do Senado sobre Mulheres, Crianças, Relações Familiares e Igualdade de Gênero, “Rene” – ex-arquiteto paisagista de KJC na Montanha da Glória de Quiboloy e suposta testemunha dos supostos crimes do pastor – afirmou ter visto Dutertes visitar do imóvel e, ao sair, levar consigo uma sacola com arma de fogo.

“Tornei-me paisagista em Quiboloy em Glory Mountain e lá senti dor nas mãos de Quiboloy. “Quando ele não está embelezando o paisagismo de sua propriedade, ele está nos dando tapas e espancando. Talvez quatro vezes por semana”, disse René.

(Tornei-me um paisagista Quiboloy em Glory Mountain e foi aí que senti dores no braço de Quiboloy. Quando ele pensa que a paisagem da sua propriedade não é bonita, ele nos atinge e nos atinge. Isso é talvez quatro vezes por semana.)

LEIA: TRANSMISSÃO AO VIVO: Senado retoma investigação sobre supostos crimes de Apollo Quiboloy, igreja

“Na Glory Mountain, quando Quiboloy chega de helicóptero, ele carrega grandes sacolas cheias de armas diversas e as coloca em uma barraca ao lado de sua propriedade. O ex-presidente Rodrigo Duterte e a ex-prefeita de Davao Sara Duterte também vão lá às vezes. Quando saíram da Glory Mountain, já tinham a mesma sacola e colocaram as armas nela”, enfatizou.

(Quando Quiboloy chega à Montanha da Glória de helicóptero, ele traz grandes sacolas cheias de armas diversas e as coloca em uma barraca ao lado de sua propriedade. O ex-presidente Rodrigo Duterte e a ex-prefeita de Davao Sara Duterte também vão lá às vezes. Quando saíram da Montanha da Glória, eles tinham consigo as mesmas sacolas nas quais as armas estavam guardadas..)

Mais tarde, a senadora Risa Hontiveros, que presidiu a audiência como presidente do painel, pediu a René que repetisse o seu testemunho anterior de que viu os Dutertes em Mount Glory.

Hontiveros até lembrou a René que ele estava prestando juramento e não podia mentir. Mas René não se mexeu.

“Sim, senhora, uma cadeira. Eu os vejo em Glory Mountain”, disse ele.

(Sim, senhora presidente. Eu os vejo na Glory Mountain.)

LEIA: Intimações do Senado contra Apollo Quiboloy

Quando questionado sobre como conseguiu determinar que o conteúdo da bolsa eram armas, René explicou que as armas geralmente eram desmontadas pelo próprio Quiboloy.

“Porque quando Quiboloy vai para Glory Mountain de helicóptero, ele leva sacolas grandes com ele. Aí a sacola do heliporto, ele leva lá… ele leva para a propriedade dele e coloca no chão – tem uma barraca lá [sa] sua propriedade e então eles forneceram diferentes tipos de armas”, explicou René.

(Porque quando Quiboloy vai para a Glory Mountain de helicóptero, ele leva consigo malas grandes. Aí ele pega a sacola do heliporto lá… traz para a propriedade dele e coloca no chão – tem uma barraca [at] sua propriedade e é aqui que vários tipos de armas são colocados.)

INQUIRER.net entrou em contato com a vice-presidente Sara Duterte e o consultor jurídico Quiboloy Atta. Ferdinand Topacio não comentou as acusações, mas ainda não respondeu.

A equipe do ex-presidente Rodrigo Duterte – principalmente o consultor jurídico de alto nível do ex-CEO Salvador Panelo e seu ex-secretário executivo Salvador Medialdea – também ainda não respondeu à investigação do INQUIRER.net.

LEIA: Quiboloy desafia Hontiveros a ajudar os acusadores a processá-lo

Rene: Em 2021, deixei KJC

Rene, que teria sido vítima de trabalho forçado e violência física, deixou a organização religiosa em 2021.

“Meu coração está cheio e mesmo com medo, eu disse que não vou me conter mais. No começo eles não queriam deixar, mas finalmente concordaram quando eu disse que iria processar Tina San Pedro”, explicou.

(Já me decidi e embora tenha medo, disse que não vou mais me conter. No começo eles não queriam deixar, mas finalmente concordaram quando eu disse que iria processar Tina San Pedro.)

Antes de poder deixar KJC permanentemente, no entanto, René disse que foi avisado contra falar sobre KJC – especialmente o que aprendeu na Montanha da Glória – e ameaçou ser preso e “desaparecer da Terra” se o fizesse.

“Durante vários anos fiquei em silêncio e carreguei o trauma do que passei. Especialmente porque sou membro da comunidade LGBTQ”, observou.


Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.


Sua assinatura foi bem-sucedida.

(Durante vários anos fiquei em silêncio e carreguei o trauma do que passei. Especialmente porque sou membro da comunidade LGBTQ.)



Fonte