• Os detalhes de Clinton e Blair estão incluídos nos arquivos irlandeses recentemente publicados

Os registos arquivados mostram que Tony Blair e Bill Clinton ficaram surpresos com o facto de o IRA não retirar as suas armas antes do prazo final do Acordo de Sexta-Feira Santa.

O então presidente dos EUA foi “surpreendido” por uma conversa telefónica com Blair em Janeiro de 2000, quando lhe foi dito que o desmantelamento da central não ocorreria a tempo.

O objectivo era fazer algum progresso na promessa do IRA até Fevereiro de 2000, à medida que aumentava a pressão sobre o antigo Primeiro Ministro da Irlanda do Norte, David Trimble.

O telefonema foi feito no dia anterior e o líder do Sinn Fein, Gerry Adams, encontrou-se com Clinton na Casa Branca, onde houve uma “altercação” sobre o ritmo do desmantelamento.

Os detalhes do telefonema de Clinton com o ex-primeiro-ministro estão incluídos em documentos de arquivo irlandeses recentemente divulgados. Uma história relatou que um funcionário da Casa Branca disse que Clinton ficou surpreso com “o sentimento de preocupação que Blair expressou”.

O então presidente dos EUA ficou ‘surpreso’ com conversa telefónica com Blair em Janeiro de 2000

O presidente dos EUA, Bill Clinton (à direita), encontra-se com o líder do Sinn Fein, Gerry Adams, no Salão Oval da Casa Branca em 2000.

O presidente dos EUA, Bill Clinton (à direita), encontra-se com o líder do Sinn Fein, Gerry Adams, no Salão Oval da Casa Branca em 2000.

Ele disse que isso se baseava nas indicações de Adams e do general John de Chastelain, presidente da comissão independente de liquidação, de que “a liquidação não só não ocorrerá no prazo de fevereiro, mas poderá nem mesmo acontecer na data estabelecida no Acordo de Sexta-Feira Santa.” .

Blair “expressou surpresa” pelo facto de a liquidação poder ser usada como posição de negociação.

Nos termos do acordo, todos os grupos paramilitares deveriam ser retirados do serviço até Maio de 2000. O IRA encerrou a sua parte em Setembro de 2005.

Tony Blair e Bill Clinton ficaram surpresos com o fato de o IRA não retirar suas armas dentro do prazo estabelecido no Acordo da Sexta-Feira Santa.

Tony Blair e Bill Clinton ficaram surpresos com o fato de o IRA não retirar suas armas dentro do prazo estabelecido no Acordo da Sexta-Feira Santa.

Fonte