Uma funcionária de uma cafeteria da Dakota do Norte revelou como ela entrou no “modo de sobrevivência” depois que um vizinho assustador criou uma conta falsa para ela no aplicativo de namoro Tinder.

Danell Phelps, gerente de uma cafeteria em West Fargo, Dakota do Norte, contou sua terrível experiência quando dez homens estranhos apareceram à sua porta e na cafeteria onde ela trabalha.

Mais tarde, foi revelado que seu vizinho, Theodore Kralovic, de 36 anos, estava usando seu nome e fotos para criar um perfil falso no Tinder.

“Eu estava no modo de sobrevivência, tentando sobreviver dia após dia, tentando entender o que estava acontecendo”, disse Phelps. MEIO.

“Eles me enviaram uma mensagem no Facebook e disseram: ‘Ei, estávamos conversando no Tinder’”, disse Phelps.

Danell Phelps, gerente de uma cafeteria em West Fargo, Dakota do Norte, revelou como ela entrou no “modo de sobrevivência” depois que um vizinho assustador criou uma conta falsa para ela no aplicativo de namoro Tinder

Phelps contou sua terrível experiência quando dez homens estranhos apareceram em sua porta ou na cafeteria onde ela trabalha

Phelps contou sua terrível experiência quando dez homens estranhos apareceram em sua porta ou na cafeteria onde ela trabalha

Mais tarde, descobriu-se que seu vizinho, Theodore Kralovic, de 36 anos, estava usando seu nome e fotos para criar um perfil falso no Tinder.

Mais tarde, descobriu-se que seu vizinho, Theodore Kralovic, de 36 anos, estava usando seu nome e fotos para criar um perfil falso no Tinder.

Documentos judiciais dizem que Kralović se passou por Phelps e conversou com 138 pessoas diferentes no Tinder.

Phelps se formou na North Dakota State University no ano passado e é dono do Ladybug Latte em West Fargo.

Mas no início deste ano ela notou algo estranho quando um homem bateu na porta dos fundos do café.

Ele foi até a porta dos fundos e perguntou: “Você é Danell?” e eu disse que sim’”, lembrou Phelps.

“Ele disse: ‘É Michael’. E eu perguntei: “Eu conheço você?” E ele respondeu: “Sim. Conversamos no Snapchat.”

“Eu disse: ‘Não, não fizemos’ e ele ficou envergonhado.”

Ela decidiu denunciar o caso à polícia depois que dez homens diferentes apareceram em sua porta ou tentaram enviar mensagens para ela nas redes sociais.

“Quando o detetive obteve todos os dados do Tinder, ele conversou comigo e começou a contar até chegar a 47 e disse: ‘Não estou nem na metade do caminho’”, disse Phelps.

Phelps se formou na North Dakota State University no ano passado e é dono do Ladybug Latte em West Fargo

Phelps se formou na North Dakota State University no ano passado e é dono do Ladybug Latte em West Fargo

No início deste ano, ela percebeu algo estranho quando um homem bateu na porta dos fundos do café.

No início deste ano, ela percebeu algo estranho quando um homem bateu na porta dos fundos do café.

Kralovic foi acusado de “criar uma conta falsa e não autorizada no Tinder com base nas informações de Phelps, conversar com homens e marcar encontros com eles”.

Ele também deu aos homens seu endereço residencial, endereço comercial e uma descrição do veículo de “Phelps”, disse o promotor.

Documentos judiciais dizem que pelo menos oito homens foram ao seu trabalho ou à sua casa na esperança de conversar ou encontrá-la pessoalmente.

Kralović se declarou culpado de ameaça imprudente e foi condenado a liberdade condicional supervisionada e serviço comunitário.

O caso marca a primeira vez que um procurador estadual local acusa alguém de criar contas falsas em um aplicativo de namoro.

Phelps teve que sair de sua antiga casa e instalar câmeras de segurança em sua cafeteria.

– Você não pode me dizer que algo assim não pode ser perigoso. Por que é preciso chegar a um ponto em que algo ruim acontece para que as pessoas realmente tomem medidas? Phelps disse.

Fonte