A República Tcheca declarou sábado um dia de luto depois que um homem armado em Praga matou 14 pessoas no pior tiroteio em massa da história do país.

David Kozak (24) matou 14 pessoas e feriu 25 – incluindo dez gravemente – durante um ataque mortal que teve como alvo estudantes e turistas na varanda do edifício filosófico da Universidade Charles.

O governo checo anunciou que amanhã será um dia de luto. As bandeiras nos edifícios oficiais serão hasteadas a meio mastro e as pessoas serão convidadas a observar um minuto de silêncio ao meio-dia (11h00 GMT).

Hoje, a Universidade Charles levantou bandeiras negras em homenagem às vítimas e cancelou todas as palestras e eventos após o tiroteio.

As pessoas acendem velas do lado de fora da sede medieval da universidade, no centro da cidade, desde quinta-feira à noite, e os líderes universitários do país planejavam prestar suas homenagens lá ainda na manhã de sexta-feira.

Hoje, a Universidade Charles levantou bandeiras negras em homenagem às vítimas e cancelou todas as palestras e eventos após o tiroteio

A foto aterrorizante mostra um cossaco vestido de preto no topo de um prédio de departamento, apontando um rifle para as pessoas abaixo.

A foto aterrorizante mostra um cossaco vestido de preto no topo de um prédio de departamento, apontando um rifle para as pessoas abaixo.

Outras fotos extraordinárias mostram estudantes aterrorizados encolhidos em uma saliência no alto da faculdade, tentando se esconder do atirador, depois que outros foram instruídos a se barricarem nas salas de aula.

Outras fotos extraordinárias mostram estudantes aterrorizados encolhidos em uma saliência no alto da faculdade, tentando se esconder do atirador, depois que outros foram instruídos a se barricarem nas salas de aula.

A polícia local identificou o assassino como o estudante David Kozak, de 24 anos.

A polícia local identificou o assassino como o estudante David Kozak, de 24 anos.

O assassino lançou seu ataque às 15h de ontem e às 16h a polícia disse que ele havia sido “eliminado” depois que policiais de elite foram vistos invadindo o prédio.

A polícia abriu fogo contra Kozak enquanto ele ainda tentava atirar em mais vítimas, disse o chefe de polícia Martin Vondrášek.

Fotografias extraordinárias mostram estudantes aterrorizados, encolhidos num parapeito no alto de uma varanda, tentando esconder-se do atirador, depois de outros terem sido instruídos a fazer barricadas nas suas salas de aula.

Tal como anunciou hoje a polícia checa, 13 das 14 vítimas foram identificadas. O Ministério do Interior informou que entre os feridos estavam dois cidadãos dos Emirados Árabes Unidos e um holandês.

Kozak assassinou seu pai em sua cidade natal, Hostoun, e depois dirigiu 21 km até a capital tcheca, onde começou a atirar aleatoriamente em pessoas da varanda do edifício filosófico da Universidade Charles.

O atirador possuía legalmente várias armas – a polícia disse na quinta-feira que ele estava fortemente armado e tinha muita munição consigo – e o que ele fez foi “bem pensado e foi um ato terrível”, disse Vondrasek.

Ele tinha consigo um enorme arsenal de armas e munições, e o Ministro da Administração Interna do país afirmou que “se a polícia não tivesse entrado no edifício a tempo, o perpetrador não estaria morto no telhado e muitas mais vítimas teriam ocorreu.

Antes de sua onda de assassinatos, acredita-se que Kozak manteve um diário em russo no aplicativo de mensagens Telegram, no qual fez a postagem assustadora: “Quero atirar em uma escola e provavelmente cometer suicídio”.

Ontem à noite descobriu-se que a polícia estava a investigar se Kozak poderia ter matado um pai de 32 anos e a sua filha de dois meses em Klanovice, perto de Praga. Centenas de policiais vasculharam a área arborizada após o desaparecimento do autor do crime, e as autoridades estão atualmente investigando se as duas matanças podem estar ligadas.

Na sexta-feira, jovens acenderam velas num monumento improvisado às vítimas em frente à Universidade Charles, no centro de Praga.

Na sexta-feira, jovens acenderam velas num monumento improvisado às vítimas em frente à Universidade Charles, no centro de Praga.

O primeiro-ministro tcheco, Petr Fiala, colocou flores em frente ao prédio da Universidade Charles na sexta-feira

O primeiro-ministro tcheco, Petr Fiala, colocou flores em frente ao prédio da Universidade Charles na sexta-feira

O massacre de quinta-feira é o pior tiroteio em massa da história tcheca e acredita-se que o atirador tenha se inspirado no tiroteio em uma escola perpetrado por um estudante de 14 anos na Rússia no início deste mês.

“Quero atirar na escola e talvez cometer suicídio. Alina Afanaskina me ajudou demais”, ele teria escrito em 10 de dezembro sobre o ataque a uma escola em Bryansk, que matou dois estudantes e depois tirou a própria vida.

Numa postagem arrepiante no que o autor chamou de “livro de memórias” e dedicado à “vida antes do tiroteio”, ele continuou: “Sempre quis matar, pensei que no futuro me tornaria um maníaco”.

O primeiro-ministro Petr Fiala disse que “um atirador solitário… desperdiçou a vida de muitos jovens”.

“Não há justificativa para este ato terrível”, acrescentou.

Embora a violência armada em massa seja incomum na República Checa, alguns incidentes chocaram o país nos últimos anos.

Em 2015, um homem de 63 anos matou a tiros sete homens e uma mulher antes de cometer suicídio em um restaurante na cidade de Uhersky Brod, no sudeste do país.

Em 2019, um homem matou seis pessoas na sala de espera de um hospital no leste de Ostrava, e outra mulher morreu poucos dias depois. O homem se matou cerca de três horas após o ataque.

Embora a violência armada em massa seja incomum na República Checa, alguns incidentes chocaram o país nos últimos anos.

Em 2015, um homem de 63 anos matou a tiros sete homens e uma mulher antes de cometer suicídio em um restaurante na cidade de Uhersky Brod, no sudeste do país.

Em 2019, um homem matou seis pessoas na sala de espera de um hospital no leste de Ostrava, e outra mulher morreu poucos dias depois. O homem se matou cerca de três horas após o ataque.

Fonte