O Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou na sexta-feira uma proposta diluída para aumentar a ajuda humanitária à Faixa de Gaza e apelou a medidas urgentes “para criar condições para uma cessação duradoura das hostilidades”, após uma semana de atrasos na votação e intensas negociações para evitar um veto dos EUA. .

Em meio à indignação global com o aumento do número de mortos na Faixa de Gaza nas 11 semanas de guerra entre Israel e o Hamas e o aprofundamento da crise humanitária no enclave palestino, os Estados Unidos abstiveram-se de votar para permitir que o Conselho de 15 membros adotasse uma resolução redigida pelos Estados Unidos, Emirados Árabes.

Os restantes membros do Conselho votaram a favor da resolução, com exceção da Rússia, que também se absteve.

Na sequência de negociações de alto nível destinadas a conquistar Washington, a resolução já não enfraquece o controlo de Israel sobre todo o fornecimento de ajuda aos 2,3 milhões de pessoas em Gaza. Israel está a monitorizar entregas limitadas de ajuda a Gaza através da passagem fronteiriça de Rafah, proveniente do Egipto, e da passagem de Kerem Shalom, controlada por Israel.

Mas o enfraquecimento da linguagem sobre a cessação das hostilidades frustrou vários membros do conselho – incluindo a Rússia, com poder de veto -, bem como estados árabes e da Organização de Cooperação Islâmica, alguns dos quais, dizem os diplomatas, vêem isso como uma aprovação para Israel continuar a sua ações contra o Hamas em conexão com o ataque mortal de 7 de outubro.

Embaixadores votam durante reunião sobre a situação no Médio Oriente, incluindo a questão palestina, na sede das Nações Unidas em Nova Iorque, em 22 de dezembro de 2023.

Os palestinianos que vivem no campo de refugiados de Bureij deixam as suas casas juntamente com os seus pertences e dirigem-se para a cidade de Deir al-Balah depois de terem sido solicitados pelas forças israelitas a abandonar o campo de Bureij, em Gaza, em 22 de dezembro de 2023.

Os palestinianos que vivem no campo de refugiados de Bureij deixam as suas casas juntamente com os seus pertences e dirigem-se para a cidade de Deir al-Balah depois de terem sido solicitados pelas forças israelitas a abandonar o campo de Bureij, em Gaza, em 22 de dezembro de 2023.

Os palestinianos que vivem no campo de refugiados de Bureij deixam as suas casas juntamente com os seus pertences e dirigem-se para a cidade de Deir al-Balah depois de terem sido solicitados pelas forças israelitas a abandonar o campo de Bureij, em Gaza, em 22 de dezembro de 2023.

Os palestinianos que vivem no campo de refugiados de Bureij deixam as suas casas juntamente com os seus pertences e dirigem-se para a cidade de Deir al-Balah depois de terem sido solicitados pelas forças israelitas a abandonar o campo de Bureij, em Gaza, em 22 de dezembro de 2023.

A resolução adoptada “apela a medidas urgentes para permitir imediatamente o acesso humanitário seguro, desimpedido e alargado e para criar condições para uma cessação permanente das hostilidades”. O projecto original pedia uma “cessação urgente e permanente das hostilidades” para permitir o acesso à ajuda.

“Ao assinar isto, o conselho daria essencialmente às forças armadas israelitas total liberdade de movimento para limpar ainda mais a Faixa de Gaza”, disse o embaixador da Rússia na ONU, Vasily Nebenzia, ao conselho antes da votação.

A Rússia propôs alterar o projecto para restaurar o texto original que apelava a uma “cessação urgente e permanente das hostilidades”. A emenda foi vetada pelos Estados Unidos. Recebeu 10 votos a favor e quatro membros se abstiveram.

No início deste mês, a Assembleia Geral da ONU, composta por 193 membros, exigiu um cessar-fogo humanitário e 153 países votaram a favor de uma medida que tinha sido vetada pelos Estados Unidos no Conselho de Segurança dias antes.

Os Estados Unidos e Israel opõem-se a um cessar-fogo, acreditando que só beneficiará o Hamas. Em vez disso, Washington apoia a cessação dos combates para proteger os civis e libertar os reféns feitos pelo Hamas.

No mês passado, os Estados Unidos abstiveram-se de votar para permitir que o Conselho de Segurança apelasse a pausas humanitárias urgentes e prolongadas nos combates durante um “número suficiente de dias” para permitir o acesso à ajuda. A decisão veio após quatro tentativas fracassadas de ação.

Washington tem tradicionalmente protegido o seu aliado Israel da ação da ONU e vetou a ação do Conselho de Segurança duas vezes desde o ataque de 7 de outubro por militantes do Hamas, no qual Israel afirma que 1.200 pessoas foram mortas e 240 pessoas foram feitas reféns.

O representante permanente da Rússia nas Nações Unidas, Vasily Nebenzia, fala durante uma reunião do Conselho de Segurança na sede das Nações Unidas, sexta-feira, 22 de dezembro de 2023.

O representante permanente da Rússia nas Nações Unidas, Vasily Nebenzia, fala durante uma reunião do Conselho de Segurança na sede das Nações Unidas, sexta-feira, 22 de dezembro de 2023.

Israel retaliou o Hamas bombardeando Gaza pelo ar, sitiando e lançando uma ofensiva terrestre. Cerca de 20.000 palestinos foram mortos na Faixa de Gaza governada pelo Hamas, segundo autoridades de saúde.

A maioria dos habitantes de Gaza foi expulsa das suas casas e os responsáveis ​​da ONU alertaram para uma catástrofe humanitária. O Programa Alimentar Mundial afirma que metade da população de Gaza passa fome e, até 7 de Outubro, apenas 10% dos alimentos de que necessita chegaram a Gaza.

O principal ponto de discórdia durante as negociações sobre a resolução adoptada na sexta-feira foi a proposta inicial do secretário-geral da ONU, António Guterres, de estabelecer um mecanismo em Gaza para monitorizar a ajuda de países que não são partes na guerra.

Foi alcançado um compromisso moderado, que em vez disso pedia a Guterres que nomeasse um coordenador sénior para a assistência humanitária e reconstrução para estabelecer um mecanismo da ONU para acelerar a ajuda a Gaza através de estados sem conflito.

O coordenador seria também responsável por “facilitar, coordenar, monitorizar e verificar, conforme apropriado, em Gaza, a natureza humanitária” de qualquer assistência.

O conselho também apelou às partes em conflito “para que respeitem o direito humanitário internacional e… deplora todos os ataques à população civil e a bens civis, bem como toda a violência e hostilidades contra as populações civis e todos os actos de terrorismo”.

Fonte